Renováveis batem recorde de atratividade no ACL em 2018

Levantamento do Grupo FDR aponta que empresas podem obter grande vantagem ao sair neste momento do ambiente cativo

As empresas aptas a comprar energia no Ambiente de Comercialização Livre (ACL) passam a contar agora com a melhor perspectiva do ano para adquirir megawatts de fontes limpas, como as matrizes eólica, solar e biomassa. Segundo a última edição do Índice Nacional de Atratividade do Mercado Livre para Fontes Limpas de Energia, realizado pela FDR Energia, o mês de dezembro atingiu a média “0,723”, valor superior à antiga melhor nota de novembro, de “0,602”.

Erick Azevedo, sócio diretor do Grupo FDR e coordenador do estudo, atribuiu o resultado à ocorrência de chuvas, que chegaram no tempo certo e mais fortes que o previsto. “A expectativa para 2019 é que o verão chuvoso seja favorável para encher os reservatórios e incentive a migração de empresas que não saíram do mercado cativo em 2018”, completou.

Em dezembro, todos os estados brasileiros alcançaram a melhor média do ano. Em cinco unidades da federação, a nota foi superior a 0,8, que representa alta viabilidade de mudança.  São eles: Tocantins (0,843), Pará (0,829), Espírito Santo (0,813), Goiás (0,810), Rio de Janeiro (0,809) e Amazonas (0,807).

Por sua vez, dezenove estados pontuaram entre 0,6 e 0,8 e foram classificados como de viabilidade boa. Apenas o Amapá (0,504) registrou viabilidade moderada, com avaliação entre 0,4 e 0,6 e manteve-se na lanterna do ranking. Roraima não participa da classificação, pois está fora do Sistema Interligado de Energia.