MME aprova EOLs da CPFL Renováveis como produtores independentes

Obras em quatro usinas no Rio Grande do Norte vão até 2023, demandando montante de R$ 487,3 milhões em investimentos. Ministério também enquadrou eólica de 31,1 MW da Voltalia, com orçamento de R$ 116 milhões

O Ministério de Minas e Energia aprovou a operação como produtor independente de energia de quatro usinas de geração eólica denominadas Costa das Dunas (23,1 MW), Farol de Touros (21 MW), Gameleira (14,7 MW) e Figueira Branca (10,5 MW), ambas localizadas no município de Touros, no Rio Grande do Norte.

As EOLs, que também foram confirmadas pelo MME como projetos prioritários e enquadradas junto ao Reidi, são de posse da CPFL Renováveis. O período de execução das obras tem previsão para começar em julho de 2022, indo até dezembro de 2023. Os empreendimentos irão demandar diferentes aportes: R$ 154,9 milhões, R$ 144,3 milhões, R$ 105,9 milhões e R$ 82,5 milhões respectivamente, sem contar a incidência de impostos.

O Ministério também deu provimento à solicitação da Voltalia Energia e autorizou a operação da eólica Vila Maranhão I, de 31,1 MW de potência, cujas obras começam em fevereiro de 2023 e seguem até o final do mesmo ano, com investimentos na ordem de R$ 116 milhões, sem contar as taxas.

Outras duas usinas menores (8,4 MW) foram contempladas pela decisão do MME. Em Bento Fernandes (RN), a EOL Ventos de Santa Martina 1 e em Campo Formoso (BA), a EOL Ventos de São Januário 23. As obras acontecerão entre janeiro de 2023 até o mesmo período de 2024, cada uma angariando cerca de R$ 35,3 milhões.