Cemig quer incorporar RME e Lepsa

Estatal mineira é a única acionista das empresas e se aprovada a medida passará a deter diretamente 49,99% da Light

A Cemig convocou seus acionistas para avaliarem em Assembleia Geral Extraordinária que ocorrerá em 25 de março a proposta de reforma de estatuto social e a incorporação de duas empresas cujo objeto é o de investimentos em outras organizações, a RME e a Luce Empreendimentos e o consequente cancelamento das açoes das empresas a serem incorporadas.
Se aprovadas as incorporações, ambas serão posteriormente extintas. A Cemig detém 100% das ações em todas as companhias que são acionistas e estão no bloco de controle da Light. A Cemig detém 26,06%, a Luce outros 13,03% e a RME 10,9% da companhia fluminense. Com isso a estatal mineira ficaria com 49,99% do capital da Light, ao lado de BNDESPAR com 9,39% e outros 40,62% que estão no mercado de ações.
A Cemig argumenta que a incorporação será benéfica para as sociedades envolvidas, pois permitirá a racionalização e simplificação da estrutura societária, bem como propiciará uma redução nos custos e despesas operacionais das sociedades. A Cemig visa racionalizar sua estrutura societária, possibilitando o aumento da eficiência operacional e a rentabilidade, visando o ganho de benefícios administrativos, econômicos e financeiros.
A estatal ainda levará à avaliação dos acionistas alterações em sua estrutura organizacional. Além de mudar o endereço da sede, a empresa quer eliminar os cargos de vice presidente e membro suplente do Conselho de Administração e redução de 11 para dez diretores na companhia, excluindo o cargo de diretor vice presidente e a respectiva diretoria. Além disso, prevê aumentar de três para quatro o número de membros do Comitê de Auditoria.