Fitch afirma rating da 2ª emissão de debêntures de Paranaíba

Montante é de R$ 120 milhões, com vencimento para 2028; Perspectiva passou de Estável para Positiva

A agência de classificação de risco Fitch Ratings afirmou o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AA-(bra) da segunda emissão de debêntures da Paranaíba Transmissora no valor de R$ 120 milhões, com vencimento em 2028. Com a avaliação, a perspectiva foi revisada, passando de Estável para Positiva, num movimento que reflete a expectativa da agência de que o projeto atinja o completion financeiro em 2019, o que tornaria as métricas mais consistentes com ratings superiores.

A empresa assinou por quatro anos um contrato de operação e manutenção com a parte relacionada da Transmissora Serra da Mesa. Apesar de o compromisso não ser de longo prazo, a análise considera que a tecnologia empregada é testada e com longo histórico de performance. Adicionalmente, há um número suficiente de operadores disponíveis para substituição, e o custo contratual está de acordo com os benchmarks da Fitch.

O rating reflete o estágio operacional do projeto e a relativamente baixa complexidade da operação, da manutenção e dos investimentos ao longo da vida do ativo. Outro ponto é a estrutura legal e regulatória do setor elétrico brasileiro, associada à natureza do segmento de transmissão de energia — considerado um serviço público essencial —, e a elevada diversificação das contrapartes, o que caracteriza o risco de contraparte como sistêmico.

Sobre os Índices de Cobertura do Serviço da Dívida (Debt Service Coverage Ratios – DSCRs) mínimo e médio da no cenário de rating da Fitch, a Paranaíba apresenta 1,14 vez e 1,37 vez, respectivamente, condizentes com um rating superior. O projeto apresenta breakeven de custos operacionais de 337%, que considera a total utilização dos recursos da conta reserva do serviço da dívida. Assim, no entendimento da agência, um contexto de Realistic Outside Cost (ROC) a 15% resultaria em múltiplo de ROC de 22,4 vezes. No entanto, o rating da emissão está limitado a ‘AA-(bra)’ devido a cláusulas de vencimento antecipado cruzado relacionadas a um dos garantidores até o completion financeiro do projeto, o que deve ocorrer ainda no primeiro semestre de 2019.