Plano de demissão voluntário da Eletrobras tem baixa adesão

Em 2018, o custo com pessoal da Eletrobras representou R$ 5 bilhões, 12% a menos do que o verificado em 2017

O Plano de Demissão Consensual (PDC) da Eletrobras teve adesão de apenas 450 funcionários, disse o presidente da companhia, Wilson Ferreira Junior. O executivo ponderou que esse número ainda pode mudar uma vez que ainda existem alguns processos em andamento, que devem ser fechados nessa semana.

Mesmo assim, o PDC está muito abaixo do esperado pela estatal federal. Em dezembro, a Eletrobras havia divulgado fato relevante indicado que a meta de desligamento era de 2.187 empregados, o que traria uma economia de R$ 574 milhões/ano. Por duas vezes, a Eletrobras prorrogou o prazo de fechamento do PDC, na tentativa de atrair mais interessados.

“O PDC fechou na sexta-feira (29/3). Chegamos a um número próximo de 450 pessoas. Como a empresa é muito grande, algumas adesões estão chegando essa semana”, disse o executivo em reunião com investidores nesta terça-feira, 2 de abril, em São Paulo. “Continua sendo um número inferior ao que a gente queria, temos uma meta de ter 12 mil pessoas”, completou.

Segundo Ferreira, a empresa tem hoje pouco mais de 14 mil empregados, mas com as mudanças feitas em sua gestão, ele acredita que o ideal seria ter 12 mil empregados. “O PDC é a situação ideal porque temos um acordo coletivo de trabalho onde temos uma garantia de emprego aos empregados, não tem como tirar isso se não for com um novo acordo coletivo”, explicou.

No mês maio, um novo acordo nacional vai ser negociado com empregados. Na avaliação de Ferreira, o setor administrativo é o que mais pode contribuir com a redução de pessoal. Em 2018, o custo com pessoal da Eletrobras representou R$ 5 bilhões, 12% a menos do que o verificado em 2017. Na aquele ano, o Plano de Demissão Consensual teve adesão de 905 empregados, gerando uma economia de R$ 66 milhões em 2018.

Em 2016, a companhia tinha 26.008 empregados, número que foi reduzido para 21.563 em 2017 e depois para 14.275 ao final de 2018. Nesse período, o custo com pessoal caiu de 49%, fruto de ações como o Plano de Aposentadoria Extraordinária (2.055 adesões), Plano de Demissão Consensual (905 adesões); privatização da Celg-D (-1.944 empregados); e a privatização de mais seis distribuidoras (- 6.636 empregados).

Nota da Redação: Matéria atualizada em 3 de abril, ás 10h45, para inclusão do último parágrafo.