FS Bioenergia vai construir mais três usinas de etanol de milho no Mato Grosso

Companhia investirá R$ 1 bilhão em planta em Nova Mutum e já possui projetos para novas usinas em Campo Novo do Parecis e Primavera do Leste, todas no Mato Grosso. Cogeração de energia chegará a 130 mil megawatts para a primeira unidade

A FS Bioenergia anunciou a implantação de mais três usinas no Brasil destinadas a produção de etanol inteiramente à base de milho. As obras para a unidade de Nova Mutum, no Mato Grosso, devem ser iniciadas em maio e irão demandar um aporte estimado em R$ 1 bilhão. A nova instalação terá capacidade para produção anual de 530 milhões de litros de etanol, 340 mil toneladas de farelo de milho, 17 mil toneladas de óleo de milho e cogeração de 130 mil megawatts de energia elétrica, volume suficiente para abastecer uma cidade de até 55 mil habitantes. As outras duas plantas serão erguidas nos municípios mato-grossenses de Campo Novo do Parecis e Primavera do Leste e devem repetir os modelos de construção estabelecidos no país.

De acordo com a companhia, os projetos para Campo Novo do Parecis e Primavera do Leste ganharão andamento no primeiro semestre de 2020, depois que as operações da unidade em Sorriso estiverem consolidadas. Quando concluídas, as cinco usinas somarão capacidade produtiva de 2,6 bilhões de litros de etanol ao ano, alçando a FS Bioenergia a uma das três maiores empresas de etanol do país.

Rafael Abud, CEO da FS Bioenergia, comentou estar satisfeito com a evolução do cenário nacional para o etanol, desde que a empresa iniciou suas atividades, em agosto de 2017.  “Nossa planta em Lucas do Rio Verde, cuja obra de ampliação foi finalizada recentemente, tem apresentado excelentes resultados e, por isso servirá de modelo para nossa expansão”, revelou.

O CEO credita a decisão de centralizar suas operações no Mato Grosso à sua localização estratégica, no principal eixo produtor de milho no país, o que garante fácil acesso à matéria prima, integralmente aproveitada em todos os processos produtivos, como para fabricação dos DDGs. “Já temos diversos parceiros de negócios nas áreas de DDG e fomento florestal em Nova Mutum e vamos buscar ampliar as parcerias para as regiões de Campo Novo do Parecis e Primavera do Leste”, complementou.

Com potencial para geração de 1.500 empregos diretos e indiretos durante a fase de obras, a terceira planta da empresa terá capacidade para armazenagem de 400 mil toneladas de milho e moagem de 1,3 milhão de toneladas do grão. Somada às usinas em Lucas do Rio Verde e Sorriso, a capacidade produtiva anual da companhia passará de 1,6 bilhão de litros de etanol, 1 milhão de toneladas de farelo de milho e 51 mil toneladas de óleo de milho.

A tecnologia exclusiva usada pela companhia para a produção do DDG, cujo processo permite a separação das fibras do milho, gera três opções para a nutrição animal: o FS Essencial, mais indicado para dietas de suínos e aves; o FS Ouro e o FS Úmido, mais indicado para dietas de bovinos de corte. A ampliação da oferta do subproduto garante acesso a produtos com qualidade estável, em apoio às atividades de bovinocultura, suinocultura, avicultura e piscicultura das regiões onde serão implantadas as novas unidades.

A demanda por etanol no Brasil deve se manter em alta, puxando também as expectativas para a produção de etanol de milho para 2019, que, segundo estimativas da União Nacional do Etanol de Milho (Unem), apresentará aumento de 64% em relação ao último ano.  “Estamos confiantes na evolução do mercado nacional, particularmente desde a aprovação do programa RenovaBio, que representa um movimento estrutural importante a favor do biocombustível. Utilizamos a mais eficiente tecnologia do mercado e hoje produzimos o biocombustível com a menor pegada de carbono do mundo”, avaliou Abud.