Cemig direciona mais de R$ 21 milhões ao sistema elétrico dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha

Oito cidades da região receberão obras de dupla alimentação, que irão permitir a normalização do sistema elétrico em falha por redes complementares

A Cemig pretende investir mais de R$ 21 milhões neste ano para modernizar as redes de distribuição que atendem as cidades dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha, em Minas Gerais. A maior parte do aporte será destinada a obras de dupla alimentação – que permite a normalização do sistema, em caso de falhas, por uma rede complementar. A previsão da companhia é de que oito cidades da região recebam o novo sistema: Bandeira, São José do Divino, Comercinho, Coronel Murta, Ponto dos Volantes, Santa Helena de Minas, Catuji e Bertópolis.

De acordo com o gerente de expansão de média e baixa tensão da empresa no Leste do estado, Edmundo de Sousa Rocha, a tecnologia permite que o fornecimento de energia seja normalizado quase instantaneamente através de uma fonte de energia complementar, nos casos de danos ou falhas na fonte principal de abastecimento. “O sistema de telecontrole identifica o problema e inicia os procedimentos de religação por meio de manobras operativas. Dessa forma, os técnicos conseguem restabelecer a energia por meio de uma fonte auxiliar e sem a necessidade de aguardar a conclusão de trabalhos da equipe no campo”, ilustrou.

Apostando na automação, a concessionária também deve instalar cerca de 40 religadores automáticos neste primeiro semestre, equipamentos que agilizam a normalização do fornecimento de energia. Além disso, há a previsão de ampliação dos serviços de manutenção preventiva, no intuito de reduzir as chances de falhas no sistema.

O gerente de manutenção e serviços da distribuição da Cemig na região, Aguinaldo Lopes Martins, afirmou que os equipamentos protegem a rede e reduzem os efeitos das falhas transitórias que interrompem o fornecimento energético, que pode ocorrer com um simples toque acidental de árvores na rede, por exemplo. “Quando os religadores atuam, o máximo que o consumidor percebe é um pique de energia que dura poucos minutos. Isso porque eles isolam o trecho em ocorrência e reconectam a rede com outro circuito próximo”, explicou.

Para a manutenção preventiva serão realizadas inspeções terrestres e aéreas, com uso de helicóptero equipado com câmeras de imagem térmica que nos permitem antecipar a manutenção de um determinado circuito antes de uma eventual falha. A iniciativa também inclui a realização de poda de árvores em contato com a rede, além da limpeza de faixa e troca de equipamentos.

Somente neste ano, a Cemig anunciou que irá investir mais de R$ 8 milhões, cerca de 25% a mais nessa área do que em 2018. Os serviços serão empreendidos ao longo do ano com o objetivo de diminuir as ocorrências de falta de energia, principalmente durante o período chuvoso, melhorando o fornecimento para os clientes da região.