Associações do setor lançam Cartilha sobre bioeletricidade e mercado livre

Levantamento mostra liderança da fonte quanto a energia renovável vendida no ACL, seguida pelas PCHs e eólicas

Com objetivo de trazer informações sobre a participação da bioeletricidade no mercado livre de energia elétrica e suas principais características, associações do setor lançaram na última terça-feira (16), num evento em Sertãozinho (SP), uma Cartilha intitulada “A bioeletricidade da cana e o mercado livre de energia elétrica no Brasil”. A publicação mostra que o consumo de energia no mercado livre em 2018 foi de 19.084 MWmed, o que representa 30% de toda a energia consumida no Brasil, aumento de 4,2% no consumo em relação aos 12 meses anteriores.

A elaboração do documento partiu da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), do Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (Ceise Br), da Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen) e da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel).

De acordo com a Cartilha, a bioeletricidade liderou o ranking de fevereiro do quanto da energia gerada pelas renováveis é vendida no mercado livre (76%), sendo seguida pelas Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs (65%) e depois pelas eólicas (45%). No período havia 5.819 consumidores no mercado livre de energia elétrica.