Errata: Cesp tem custo menor com PDV em decorrência de retenções

Valor com despesas R$ 102,5 milhões ao final do primeiro trimestre do ano; companhia alega permanência de alguns colaboradores para um processo de transição mais suave

Nota da Redação: Ao contrário do divulgado na versão anterior os custos com o PDV previstos inicialmente foram de R$ 118 milhões, mas os custos incorridos ficaram em R$ 102,5 milhões, dos quais R$89,9 milhões referem-se a custos com os incentivos e benefícios e outros R$12,6 milhões com os encargos rescisórios. A diferença de custo entre os R$118 milhões e R$102,5 milhões mencionados serão incorridos nos próximos trimestres, à medida que os desligamentos ocorram após as retenções mencionadas. Em relação à UHE Três Irmãos o laudo discutido referia-se ao processo judicial sobre os valores envolvidos para o ressarcimento da companhia e não tinha haver com segurança de barragens. Veja abaixo a matéria corrigida: 

—————————————-

Se o resultado financeiro do quarto trimestre de 2018 da Cesp apontava para uma perspectiva de R$ 118 milhões com despesas não recorrentes ligadas ao seu Programa de Demissões Voluntárias, essa estimativa consolidou-se num montante de R$ 102,5 milhões ao final deste primeiro trimestre do ano, resultado que chamou a atenção de alguns analistas e acionistas durante a teleconferência da companhia ao mercado, realizada na manhã desta quarta-feira, 15 de maio.

O Diretor Financeiro, Administrativo e de Relação com Investidores da Cesp, Mário Bertoncini, esclareceu que o valor estimado ao final do ano passado era para a totalidade do programa e que o referido de R$ 102,5 milhões representa o valor incorrido no trimestre. Ele explicou que a companhia fez um pedido para que determinados colaboradores permanecessem em seus cargos ainda por um período, no intuito de melhorar o processo de transição da empresa, que se encontra sob nova gestão desde 11 de dezembro de 2018. A diferença de custo entre os R$118 milhões e R$102,5 milhões mencionados serão incorridos nos próximos trimestres, à medida que os desligamentos ocorram após as retenções mencionadas.

Perguntado sobre o congelamento dos custos com transmissão e se o mesmo poderá sofrer reajuste, o executivo explicou que o descongelamento dos preços chegará para todas geradoras em 2023, mas como a UHE Porto Primavera se trata de uma nova concessão, ela teve uma antecipação de 3 anos, com uma taxa de escalonamento de 30% ao ano, mas que depende ainda das revisões tarifárias que acontecerão em julho.

Quanto a uma possível estimativa para o reajuste, Bertoncini afirmou que ser preciso esperar pela Audiência Pública da Aneel, até porque a própria agência está discutindo e revendo sua metodologia para os cálculos. “Não há como fazer uma previsão, mas trabalhamos com uma perspectiva de aumento para além da inflação”, avaliou o executivo.

Durante a teleconferência, o presidente da Cesp, Fábio Zanfelice, falou sobre o andamento do processo da indenização pelos ativos relativos à hidrelétrica Três Irmãos (807,5 MW), que foi devolvida à União e relicitado em 2014. “Estamos aguardando um posicionamento da União quanto ao relatório do perito e a partir disso teremos um cenário mais claro para avançar nessa questão”, comentou o presidente, no contexto de avaliação de contingência para o ativo no futuro.