Mais três comercializadoras conseguem o Selo Energia Verde da Unica

Safira Energia, Ecom Energia e Votorantim Energia se juntam às comercializadoras Nova Energia, Capitale Energia, Electra Energia e Banco BTG Pactual

As comercializadoras Safira Energia, Ecom Energia e Votorantim Energia receberam na última quinta-feira, 23 de maio, o Selo Energia Verde concedido pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), no âmbito do Programa de Certificação da Bioeletricidade, que envolve a concessão de Certificados para usinas sucroenergéticas produtoras de bioeletricidade e de Selos Energia Verde para comercializadoras e consumidores de energia no mercado livre.
O Programa de Certificação da Bioeletricidade é uma iniciativa da Unica em cooperação com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e apoio da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), e trata-se da primeira certificação no Brasil para a energia produzida a partir da biomassa da cana-de-açúcar.
A entrega do selo ocorreu durante evento que discutiu temas no mercado livre de energia elétrica e contou com a presença de aproximadamente 80 pessoas, em São Paulo. A gerente de Análise e Informações ao Mercado da CCEE, Débora Tortelly, fez a entrega dos selos às comercializadoras.
Para ter direito ao Selo Energia Verde, a comercializadora precisa ser associada à Abraceel e agente da CCEE, além de ter adquirido energia elétrica de unidades produtoras com certificado de bioeletricidade. O contrato de aquisição tem que estar registrado na CCEE e corresponder a, no mínimo, 0,3 MW médio/ano e com prazo de validade de 6 meses, dentre outras diretrizes.
Safira Energia, Ecom Energia e Votorantim Energia se juntam às comercializadoras Nova Energia, Capitale Energia, Electra Energia e Banco BTG Pactual, no total de sete comercializadoras detentoras do Selo Energia Verde. A concessão do selo é realizada sem custo para os agentes envolvidos.
Além das comercializadoras, a cooperativa Copercana recentemente também conseguiu o Selo Energia Verde, sendo o primeiro consumidor no ambiente livre a receber o Selo, no âmbito do Programa de Certificação da Bioeletricidade.
Atualmente, são 70 usinas sucroenergéticas certificadas pelo programa e a energia que será produzida por estas usinas, ao longo de 2019, é estimada em 20 mil GWh, equivalente a abastecer quase 11 milhões de residências pelo ano inteiro, ou o mesmo que evitar a emissão de 6 milhões de toneladas de CO2. Para atingir a mesma economia de CO2, por meio do plantio de árvores nativas, ao longo de 20 anos, seria preciso plantar 42 milhões de árvores nativas.