Aggreko e Wärtsilä apresentam nova solução para geração de energia

Além de modular, a solução conta com motores de média rotação que podem funcionar com gás natural, diesel, óleo pesado e biogás

A Aggreko e  a Wärtsilä fecharam um acordo de cooperação para lançar no mercado uma solução modular de geradores de energia. Além de modular, a solução conta com motores de média rotação que podem funcionar com gás natural, diesel, óleo pesado e biogás.

Segundo as empresas, a solução pode ser instalada rapidamente em projetos com duração de 5 a 10 anos, sendo adaptável de acordo com o aumento de demanda de energia. Também é facilmente transportada para locais alternativos, sendo adequada para a geração de energia temporária. Pode resultar em redução no consumo de combustível e nos custos operacionais, quando utilizado em sistemas híbridos. Além de diminuir consideravelmente as emissões de gases de efeito estufa, gerar mais estabilidade e equilíbrio da rede ao integrar fontes de energia renováveis ​​intermitentes e sistemas de armazenamento.

Pelo acordo, a Wärtsilä fornecerá a tecnologia e o design para os principais equipamentos de geração de energia, que será incorporada pela Aggreko em seu portfólio. “Estamos muito satisfeitos com a parceria, porque vamos entrar em um mercado em franca expansão. A Aggreko é líder global em energia modular móvel e a nossa solução abre novas oportunidades para a geração de energia estacionária e temporária de até 100 MW”, afirma Jean Nabb, diretor de Parcerias Estratégicas da Wärtsilä Energy Business.

Marco Contín, diretor geral da Aggreko Brasil, reconhece o crescimento do mercado de geração distribuída e da necessidade de novas soluções de energia térmica que sejam compatíveis em custo com a de geração permanente. “Vemos um número de aplicações potenciais para o “Modular Block” em projetos com duração de 5 a 10 anos, com capacidade de atingir altos níveis de eficiência e de ser mobilizado e utilizado em outros projetos, seguindo o modelo eficiente de energia modular e móvel da Aggreko”, destaca.