CVM suspende emissão de debêntures de R$ 3 bilhões da Petrobras

Decisão vale por 30 dias devido a uma entrevista da diretora Financeira e de RI da estatal com uma das corretoras envolvidas na operação

A Comissão de Valores Mobiliários decidiu que a Petrobras deverá suspender a emissão de debêntures simples não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em até três séries, da 7ª emissão da companhia pelo prazo de até 30 dias. A estimativa era de uma captação inicial de R$ 3 bilhões.
De acordo com comunicado da petroleira, a CVM entendeu que a realização e divulgação de entrevista realizada pela corretora XP com a diretora Financeira e de Relações com Investidores, Andrea Almeida, não observou o art. 48 da Instrução CVM 400, que prevê que a emissora, o ofertante e as instituições intermediárias, envolvidas em oferta pública de distribuição deverão se abster de manifestação na mídia sobre a oferta ou o ofertante até a divulgação do anúncio de encerramento de distribuição.
Os investidores que já tenham aderido à oferta terão o prazo de cinco dias úteis para desistir do investimento se assim o desejarem, até 16 horas do dia 9 de setembro tendo direito à restituição integral dos valores, bens ou direitos dados em contrapartidas às debêntures. E ainda, que  está avaliando as consequências no cronograma estimativo da oferta. E disse que a empresa está tomando as medidas cabíveis para reverter a suspensão.
A emissora e os coordenadores informaram que um novo cronograma da oferta será divulgado posteriormente, bem como uma nova versão do prospecto.