EDF anuncia inscrições para prêmio inédito de inovação no Brasil

Pequenas empresas e startups podem concorrer a R$ 100 mil em três categorias; Inscrições podem ser feitas até 1º de novembro

A EDF anunciou as inscrições para a 1ª edição do Prêmio Pulse Brasil, com foco em startups de inovação que desenvolvam soluções eficientes para os desafios das indústrias e das grandes cidades. Serão oferecidos até R$ 100 mil aos primeiros lugares, sendo R$ 40 mil para os vencedores de cada categoria – Smart City e Smart Factory – além de uma premiação especial de R$ 20 mil para um terceiro Projeto de Destaque. Além disso, caso alguma inovação interesse a alguma das empresas do Grupo no Brasil, há a possibilidade da realização de parceria para o seu desenvolvimento. As inscrições podem ser feitas até 1º de novembro pelo site e os vencedores serão anunciados em dezembro deste ano.

O prêmio é realizado desde 2014 na França, Itália, Reino Unido e África. No Brasil, a iniciativa acontece através de uma parceria entre a EDF Norte Fluminense, EDF Renewables, Citelum e Framatome. Do exoesqueleto que permite a paraplégicos andar novamente à iluminação de fibra óptica natural, o prêmio dá visibilidade a projetos inovadores alinhados à alta tecnologia para o futuro, sendo um dos principais reconhecimentos mundiais da EDF. Ao todo foram 1.800 startups, com 22 vencedores e mais de 50 projetos acompanhados pelo Grupo ao redor do mundo.

Dentre as categorias do prêmio, a Smart City julga inovações voltadas para infraestruturas e espaços habitacionais, individuais e coletivos, à métodos produtivos e organizacionais, buscando transformar nossas cidades e territórios para enfrentar os desafios demográficos e ambientais. Já a Smart Factory avalia os projetos de aceleração na convergência entre os meios e processos industriais e tecnologias digitais, para maior eficiência e otimização do consumo.

O edital aponta que estão habilitadas a concorrer pequenas empresas e startups criadas até julho de 2019, domiciliadas no Brasil e compostas por no máximo 30 pessoas, que podem ter sociedade com empresas de até 500 colaboradores. O júri irá considerar os seguintes critérios: qualidade e robustez da solução; impacto e progresso para a sociedade; sustentabilidade do modelo do negócio; e a equipe (visão, complementaridade, experiências, habilidades).

Para a EDF, o Brasil é um país estratégico para o desenvolvimento global que passam por investimentos em geração, serviços e soluções inteligentes de energia. Por isso, busca startups nacionais que contribuam para questões energéticas e soluções inovadoras para enfrentar os desafios da atualidade. Assim, suas subsidiárias podem identificar possibilidades de novos projetos e parceiros de negócios e ampliar a interação com esse modelo de negócios, para melhor compreensão de sua dinâmica de funcionamento. Até o momento, já foram investidos cerca de R$ 60 milhões pela empresa na área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) no Brasil.