Petrobras quer atuar de forma competitiva na comercialização do gás próprio

Diretriz estará no ciclo do plano estratégico da companhia abarcando o período 2020-2024. Investimentos em eólica e solar perderão espaço

A Petrobras atualizou os itens Visão, Propósito e Estratégias que estarão no novo ciclo do seu planejamento estratégico, cobrindo o período de 2020 a 2024. De acordo com comunicado divulgado ao mercado nesta quinta-feira (26), a nova visão da empresa é ser a melhor empresa de energia tendo como objetivo principal a geração de valor para o acionista com foco em óleo e gás e com segurança, respeito às pessoas e ao meio ambiente. A nova orientação dos temas que estarão no documento, ainda em fase de elaboração, deixa claro que as operações da petroleira estarão concentradas especialmente nas atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural, incluindo as reservas em áreas do pré-sal.

O ajuste na estratégia da Petrobras levou em conta as ações por segmento de negócio. Em Gás e Energia, que perdeu status de Diretoria Executiva em 2016, a companhia informa que irá atuar de forma competitiva na comercialização do gás próprio, além de otimizar o portfólio termelétrico focando no autoconsumo e na comercialização do combustível produzido. Monopolista na cadeia do setor gasífero durante décadas, a Petrobras confirmou também que vai sair integralmente da distribuição e do transporte de gás, negociando empresas subsidiárias nas quais detém participações acionárias. A medida vai ao encontro com as diretrizes do governo federal anunciadas este ano no programa “Novo Mercado de Gás”.

Já para o segmento de renováveis, a estratégia do Plano 2020-2024 da Petrobras passa pelo desenvolvimento de pesquisas visando a atuação, em longo prazo, em negócios de energia renovável com foco em eólica e solar no Brasil. A atuação discreta na geração de energia por fontes renováveis por parte da maior empresa de energia do país vai na contramão da visão estratégica adotada por outras gigantes do setor de petróleo e gás no mundo, entre as quais Equinor, Shell e Exxon, que vem aumentando os investimentos nessa atividade. A Petrobras também pretende viabilizar comercialmente o diesel renovável e o BioQav, como forma de responder às políticas de sustentabilidade da matriz energética brasileira.