Energia no mercado spot fica 3% mais cara

PLD foi influenciado pela estimativa de afluências abaixo da média de longo para o mês de outubro

O preço da energia no mercado à vista subiu, em média, 3% para a próxima semana (28 de setembro a 4 de outubro de 2019) nos quatro submercados, influenciado pela expectativa de chuvas abaixo da média histórica para outubro. O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) foi divulgado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta sexta-feira, 27 de setembro. O PLD foi fixado em R$ 241,94/MWh nas cargas pesada e média. Na carga leve, o preço ficou em R$ 233,70/MWh.

Para setembro, de acordo com a CCEE, espera-se que as afluências no Sistema Interligado Nacional (SIN) fechem em torno de 54% da média histórica, situando abaixo da média para todos os submercados. Na região Sudeste, a expectativa é de 69%; no Sul, 28%; no Nordeste, 41% e, na região Norte, 66% da Média de Longo Termo (MLT).

Já as previsões para outubro, são esperadas afluências em torno de 61% da média para o SIN, ficando abaixo da média para todos os submercados. Na região Sudeste, a expectativa para o próximo mês é de 72%; no Sul, 46%; no Nordeste, 37% e, na região Norte, 65% da MLT.

A carga prevista para a próxima semana do SIN está 812 MW médios mais baixa quando comparada à expectativa da semana anterior, com redução esperada, principalmente, no Sudeste. As previsões apresentaram uma diminuição de 635 MW médios para o submercado Sudeste, para o Sul de -26 MW médios e para o Nordeste de -215 MW médios. Apenas a região Norte obteve aumento de carga (+64 MW médios).

Os níveis dos reservatórios do SIN ficaram acima do esperado cerca de 2.117 MW médios, com elevação no Sudeste (+1.116 MW médios), no Sul (+787 MW médios), no Nordeste (+113 MW médios) e no Norte (+101 MW médios).

O fator de ajuste do Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) para o mês de setembro é de 54,6% e para o mês de outubro a previsão é de 61,8%.

O Encargo do Serviço de Sistema (ESS) previsto para setembro está em R$ 6 milhões, sendo em sua totalidade referente às restrições operativa. Para outubro de 2019, a previsão é nula, sendo referente às restrições operativas.