MME enquadra projetos de reforço em subestações junto ao Reidi

Iniciativas de transmissora no Rio de Janeiro e da Chesf na Bahia e Ceará somam investimentos de R$ 132 milhões sem a incidência dos encargos PIS/PASEP e Confins

O projeto de reforço à Subestação Nova Iguaçu (RJ), operada pela transmissora Linhas de Taubaté, foi enquadrado pela Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia junto ao Regime Especial para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi). A obra envolve a instalação do segundo banco de autotransformador monofásico, além de novas conexões e módulos de adequação para o sistema, com previsão de conclusão em 4 anos. Ao todo, a iniciativa irá requerer cerca de R$ 67 milhões em recursos, livre dos encargos PIS/PASEP e Confins, isentos pelo Reidi, que classifica o investimento como aquisição de bens e serviços para empreendimentos de infraestrutura. As informações foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) e no portal do MME.

Nos mesmos moldes, o Ministério aprovou dois projetos de transmissão da Chesf relativos a quatro subestações no Ceará e na Bahia, e que somam R$ 65 milhões em aportes, livre de taxas. O primeiro contemplará melhorias nas instalações das subestações cearenses de Icó e Milagres, com as respectivas instalações do terceiro e quarto transformador trifásico, módulos de conexão e infraestrutura de manobra, além da recapacitação da Linha de Transmissão Governador Mangabeira – Sapeaçu. Ao todo serão aproximadamente R$ 30 milhões em investimentos, com o prazo para conclusão dos trabalhos terminando em setembro de 2021.

Já as subestações Cotegipe e Matatu irão contar com adequação do módulo geral através de infraestrutura em 230 kV e a instalação do quarto transformador. A inciativa acontece na capital Salvador e no município de Simões Filho, e irá angariar aproximadamente R$ 35 milhões em recursos para sua execução, que está prevista para ser finalizada em maio de 2021.