Powertis obtém incentivos fiscais para UFVs em Minas Gerais

MME enquadrou duas usinas junto ao Reidi, num total de 90 MW de capacidade instalada e R$ 276 milhões em investimentos sem encargos. PCH também é aprovada no Paraná

A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia deliberou o enquadramento de duas usinas fotovoltaicas denominadas Araxá 1 e 2 junto ao Regime Especial para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi), envolvendo 90 MW e R$ 276,1 milhões em investimentos, livre de encargos. As informações foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) e no portal do MME. O Reidi prevê a isenção de PIS/PASEP e Confins na aquisição de bens e serviços para empreendimentos de infraestrutura.

Os empreendimentos pertencem a Powertis e serão construídos no município homônimo de Araxá, em Minas Gerais, durante o ano que vem. Cada UFV prevê 29 unidades geradoras de 1,5 MW, totalizando 45 MW de capacidade instalada e R$ 138 milhões em recursos por usina, que contarão também com uma subestação elevadora de 34,5/138 kV e uma linha de transmissão em 138 kV, em circuito duplo, com cerca de 300 metros, conectando-a ao seccionamento da linha de distribuição Araxá 1 – Jaguara, via subestação Araxá 2, sob responsabilidade da Cemig Distribuição.

O MME também atendeu a solicitação da empresa do ramo imobiliário e de infraestrutura Translead Empreendimentos e Incorporações, enquadrando o projeto da pequena central hidrelétrica Açungui 2E junto ao Reidi. A implementação, prevista para acontecer entre 2020 até 2022, compreende duas turbinas de 2,9 MW, totalizando 5,9 MW de potência em Campo Largo, município paranaense. O aporte total a ser realizado na usina, livre de impostos, é de R$ 44,8 milhões.

(Nota da Redação: Matéria corrigida às 11:13 horas do dia 07 de novembro de 2019 para alteração do proprietário das usinas solares. Elas pertencem à Powertis e não a Solatio que as vendeu para a primeira)