ANA diminui vazão da UHE Jurumirim para preservar armazenamento

Medida que vale desde 11 de novembro foi tomada devido à redução dos volumes úteis contidos nos reservatórios da bacia do rio Paranapanema, que passa por São Paulo e Paraná

Em função de poucas chuvas e vazões abaixo do esperado para os reservatórios da bacia do rio Paranapanema, que perpassa São Paulo e Paraná, a Agência Nacional de Águas decidiu reduzir o escoamento hídrico da hidrelétrica de Jurumirim, passando de 147 m³/s para 60 m³/s a partir de 11 de novembro. A medida busca recuperar parte do armazenamento até o fim deste mês. No próprio dia 11, a usina acumulava 16,07% de seu volume útil, menor capacidade registrada nesta época do ano desde 2010.

Jurumirim começou a operar em 1962 entre os municípios de Piraju (SP) e Cerqueira César (SP) para regularização do rio Paranapanema e abastecimento de energia para a região do Médio Paranapanema. Com potência instalada de 100,9 MW, a UHE possui um reservatório com capacidade para acumular 7,2 trilhões de litros d’água e abrangendo uma área inundada de 449km². A empresa CTG Brasil opera o empreendimento, com a concessão indo até 2029.

A decisão foi tomada na última reunião da Sala de Crise do Paranapanema, que aconteceu em 8 de novembro na sede da Agência e por videoconferência. O próximo encontro da Sala está marcado para 14 de novembro, visando a reavaliação da situação da bacia. Desde março, o grupo acompanha o quadro do Paranapanema, com representantes não só da ANA, mas órgãos gestores estaduais de recursos hídricos do Paraná e de São Paulo, do Operador Nacional do Sistema Elétrico, do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranapanema, de usuários de água, dentre outros.