Copel aguarda solução do GSF para prosseguir com renovação de Foz do Areia

Privatização da Copel Telecom deve acontecer até março de 2020

A Copel aguarda uma solução para o GSF de modo a dar prosseguimento as tratativas para a renovação da concessão da UGE Foz do Areia (PR- 1.667 MW). Em teleconferência com analistas nesta quarta-feira, 13 de novembro, o presidente da empresa, Daniel Slaviero, afirmou que a repactuação do GSF dessa usina e das UHEs Salto Caxias e Segredo – que são responsáveis por quase 90% da geração da Copel – vai trazer uma extensão do tempo das suas concessões. Ele espera a aprovação do projeto no Senado. “A gente entende que é uma questão de conjuntura política, no mérito não dá mais para fazer nenhuma mexida no texto. Ou é o texto da Câmara ou é o do Senado”, explica.

Segundo ele, os dois textos falam da redução do prazo de manifestação de interesse da renovação atrelada a privatização. Hoje são 60 meses e o PL reduz para 36 meses, o que levaria o prazo da Copel para setembro de 2020. O executivo contou que há uma movimentação paralela do governo federal para fazer a mudança do prazo para manifestação vir por decreto, caso o PL não progrida. “Estamos aguardando a definição do órgão regulador ou do Congresso Nacional”, avisa. A empresa avisa que está aprofundando os estudos de viabilidade e atratividade da usina. O conselho já aprovou a criação de uma Sociedade Propósito Específico e a transferência da usina para essa SPE, que fica sob controle da Copel GT. Essa SPE vai pedir a renovação da concessão. A Copel vai ter 49,9% de participação, com o restante com um sócio privado. A criação de uma reserva de caixa para a renovação da concessão da usina já havia sido anunciada pela estatal em abril. A concessão termina em 2023 e cogita-se que a outorga mínima do leilão deve girar entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões.

Copel Telecom  – A privatização da Copel Telecom deve ocorrer até o fim do primeiro trimestre de 2020. O estudo de desinvestimento feito pelo banco Rotschild segue e deve ser apresentado até o fim do ano. De acordo com o diretor da Copel Telecom, Wendell Oliveira, grande parte do ativo será vendida e ficará apenas o crucial para a distribuidora. A venda Copel Telecom será a primeira privatização depois de 20 anos no estado, quando ele vendeu o Banestado.