Engie vai fornecer energia renovável para aviões no Aeroporto de Brasília

Parceria com concessionária prevê suprimento de aeronaves em solo por meio de 22 pontes de embarque, reduzindo emissões de CO2 e custo com querosene ou geradores a diesel

A Engie e a Inframerica, concessionária do Aeroporto de Brasília, firmaram uma parceria inédita para fornecimento de energia renovável a aviões estacionados no terminal brasiliense. O contrato prevê a instalação de equipamentos em 22 pontes de embarque e desembarque do aeroporto, visando manter a parte elétrica e de ar condicionado das aeronaves em solo em funcionamento, o que atualmente é feito por geradores externos a diesel, conhecido como GPU (Ground Power Unit), ou por microturbina a querosene do próprio avião.

Roberto Luiz, diretor de Negócios Aéreos da Inframerica, explica que a iniciativa irá reduzir a pegada de carbono ao eliminar o uso desses equipamentos na área do pátio, tornando-a mais segura, com menos obstáculos para manobras de veículos e pessoas, além de reduzir o nível de ruídos das operações. “Buscamos mostrar nosso comprometimento com a redução dos gases de efeito estufa (GEE) e reforçar nossas ações em prol de uma operação mais sustentável”, justifica.

Recentemente o Aeroporto de Brasília foi reconhecido com o Selo Ouro no Programa Brasileiro GHG Protocol (Greenhouse Gas Protocol), que realiza a publicação de inventários de emissões de gases de efeito estufa (GEE). O Conselho Internacional de Aeroportos (ACI) também reconheceu o terminal brasiliense com a certificação internacional de controle de carbono. Na localidade, as principais companhias aéreas já aderiram ao serviço, o que pode significar uma redução de cerca de 20 mil toneladas de CO2 por ano no terminal, o equivalente ao plantio de mais de 120 mil árvores.

“Essa iniciativa está em linha com a ambição da Engie de liderar a transição energética rumo a uma economia de baixo carbono, auxiliando empresas a descarbonizarem os seus processos, tornando-as mais sustentáveis e mais eficientes”, afirma Leonardo Serpa, diretor-presidente da Engie Soluções. “Além disso, as companhias aéreas terão também seus custos otimizados, a energia elétrica tende a ter preços mais competitivos”, completa o executivo.

Parceria de longo prazo

A companhia e o Aeroporto de Brasília também são parceiras no fornecimento de energia renovável, iniciativa que entrará em vigor a partir de 2022. De acordo com Serpa, a empresa negocia também com outros terminais aeroportuários, um segmento estratégico para a companhia, soluções de mobilidade elétrica e outros serviços.

Roberto Luiz, da Inframerica, afirma que a parceria com a empresa é de longo prazo e ressalta que o objetivo é replicar este novo projeto em outros aeroportos do Grupo, tanto no Brasil como no exterior. A previsão é que todas as pontes de embarque e desembarque do Aeroporto de Brasília estejam adaptadas para o fornecimento de energia elétrica em até 12 meses.