Sunew fornece filmes para projeto de energia solar da Natura

Energia gerada vai evitar a emissão anual de 37 toneladas de CO2

A Natura anunciou a conclusão do projeto que instalou 1.800 m² de painéis de energia solar de última geração em um dos prédios da sede da empresa em Cajamar, região metropolitana de São Paulo. A tecnologia de filmes fotovoltaicos orgânicos da empresa mineira Sunew foi escolhida por sua eficiência superior e o menor impacto no meio ambiente, além de design inovador das películas, que possuem 15 milímetros de espessura e são produzidas a partir de materiais orgânicos, não-tóxicos e recicláveis. A instalação, que utiliza o total de 1.580 painéis, é a maior do mundo no momento.

De acordo com Josie Peressinoto Romero, vice-presidente de Operações e Logística da Natura, além de buscar eficiência energética, a Natura está produzindo energia limpa. Segundo ela, a tecnologia do OPV é a de menor impacto possível, dialoga com nossos valores e reflete nosso compromisso com a sustentabilidade, principalmente no combate às mudanças climáticas. A estimativa é que a energia gerada pelos painéis no prédio chamado Núcleo de Aprendizagem Natura contribua para evitar a emissão anual de 37 toneladas de CO2e — o equivalente ao consumo de 459 residências no Brasil em um mês. O uso de energia solar contribui para o pilar de redução do Programa Carbono Neutro da Natura. Lançado há mais de uma década, ele tem o objetivo de reduzir e neutralizar as emissões de gases do efeito estufa decorrentes de suas atividades e em toda a sua cadeia de valor.

Prédio do Núcleo de Aprendizagem Natura (NAN), na sede da empresa em Cajamar (SP)

A Sunew afirma que, em um ano, o projeto chegará a 73.4 MWh de energia gerada — o que corresponde a uma produção energética até 40% superior ao esperado em instalações de mesma potência composta por painéis solares tradicionais. Essa energia é o suficiente para abastecer o dobro de toda a iluminação do prédio e das 160 posições de trabalho. O CEO da Sunew, Tiago Alves, explica que a eficiência do OPV cresce com o aumento da temperatura externa, o que o torna ideal para áreas expostas à forte radiação solar, independente do posicionamento em direção ao sol, como a cobertura do prédio NAN. De acordo com a empresa, o material pode ser aplicado em qualquer superfície, de fachadas de vidro a veículos e mobiliários urbanos. Segudno ele, trata-se da alternativa mais sustentável existente no momento, com a menor emissão de carbono entre as formas de geração de energia solar.