RGE constrói nova fonte de alimentação no Nordeste gaúcho

Obra teve investimento de R$ 1,8 milhão e contemplou a construção de nova rede nos Campos de Cima da Serra, com 173 postes para sustentação e sete religadores automáticos

A RGE concluiu as obras de construção da segunda fonte de alimentação para Pinhal da Serra, nos Campos de Cima da Serra, localizados no nordeste do Rio Grande do Sul. A iniciativa contou com investimento de R$ 1,8 milhão, e envolveu também a construção de 10 km de rede, servindo para interligar as cargas de Pinhal da Serra e Barracão. A obra exigiu a instalação de 173 postes de concreto para sustentar a nova rede, que é do modelo compacto, tecnologia que prevê espaçadores entre os cabos, o que diminui as chances de toque entre eles, principalmente em dias de vento, reduzindo também os riscos de interrupção no fornecimento de energia.

 Segundo a Consultora de Negócios da RGE na região, Laíse Grzebieluckas, a obra beneficia diretamente os 1.175 clientes de Pinhal da Serra, mas, de maneira indireta, traz benefícios para toda a região. “Quando falamos em criação de uma segunda fonte de alimentação é exatamente um caminho novo por onde a energia pode passar para chegar aos clientes. Havendo a necessidade de desligamento de uma das fontes por qualquer motivo, a outra poderá seguir abastecendo a cidade”, comenta a consultora.

Modelo compacto de rede prevê espaçadores entre os cabos, o que diminui as chances de toque entre eles, reduzindo riscos de interrupção no fornecimento elétrico (foto: RGE divulgação)

O novo sistema também possui sete religadores automáticos e dois reguladores de tensão. Os religadores são operados pelo Centro de Operações da distribuidora da CPFL, à distância, e permitem que a energia seja restabelecida num curto espaço de tempo se a interrupção ocorrer sem danos físicos na rede. Além disso, em caso de qualquer interrupção emergencial ou programada, o aparelho auxilia nas manobras de carga para deixar o menor número de clientes sem luz por menos tempo. Já os reguladores de tensão atuam para manter estável a qualidade da energia que chega aos consumidores, dentro dos padrões técnicos do indicador de limite de tensão.

Alinhada com o Planejamento Estratégico do Grupo CPFL Energia, a RGE aplicou R$ 605 milhões em obras de ampliação, melhoria e modernização da rede nos nove primeiros meses deste ano. O valor é 24,7% superior em relação ao mesmo período do ano passado. Esses aportes permitiram que centenas de obras fossem executadas no período, como a substituição de 64 mil postes de madeira por concreto na área de concessão, a instalação de 204 novos religadores automáticos e construção ou melhoria de 1.447 Km de rede de média tensão.