AES Uruguaiana autorizada a importar energia da Argentina e Uruguai

Filial de estatal boliviana no Brasil é autorizada a importar gás natural pelo Gasbol com volumes crescentes até 3.6 milhões de m³ ao dia em 2024

O Ministério de Minas e Energia (MME) autorizou a geradora AES Uruguaiana a importar energia elétrica da Argentina e do Uruguai. A decisão foi publicada na Portaria nº 5 no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 10 de janiero. A operação não afetará a segurança do Sistema Interligado Nacional e a energia será destinada ao Mercado de Curto Prazo brasileiro, sempre precedida de autorização ou contrato para utilizar as respectivas instalações de transmissão.

A importação da Argentina deverá ocorrer por meio das Estações Conversoras de Frequência de Garabi I e II, até 2.200 MW de potência e respectiva energia elétrica associada, localizadas no município de Garruchos, e da Conversora de Frequência de Uruguaiana, até 50 MW de potência e respectiva energia elétrica associada, localizada no município de Uruguaiana, no estado do Rio Grande do Sul, fronteira com a Argentina.

Já a importação do Uruguai tem de ocorrer por meio da Estação Conversora de Frequência de Rivera, até 70 MW de potência e respectiva energia elétrica associada, localizada na fronteira dos municípios de Rivera, no Uruguai, e de Santana do Livramento, no Brasil, e da Estação Conversora de Frequência de Melo, até 500 MW de potência e respectiva energia elétrica associada, localizada no município uruguaio de Melo, próximo da fronteira com o município de Jaguarão, no Rio Grande do Sul.

Outro provimento do MME foi para a filial boliviana no Brasil YPFB Energia, que poderá importar gás natural da Bolívia, através do gaseoduto que une os dois países, com local de entrega próximo à cidade de Corumbá (MS). De acordo com a Portaria no. 4 desta mesma data, a operação poderá envolver neste ano um volume de até 1,2 milhão de m³ de gás por dia, com uma escala de valores gradativos, chegando a até 3,6 milhões de m³ em 2024. O insumo será destinado a mercados potenciais nos estados do Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.