Defluência mínima de UHE é elevada para recuperar reservatório de Chavantes

Elevação de 60 para 100m³/s na hidrelétrica de Jurumirim (SP) busca equilibrar níveis dos reservatórios da bacia do Paranapanema no início de 2020

A defluência mínima da hidrelétrica de Jurumirim (SP) será aumentada para a recuperação do reservatório da UHE Chavantes. A informação foi confirmada pela Agência Nacional de Água. Passou de 60 para 100m³/s. A medida foi decidida durante o segundo encontro do ano da Sala de Crise do Paranapanema, que aconteceu na última sexta-feira, 10 de janeiro, na sede da ANA, em Brasília.

 

Atualmente, Jurumirim está com um volume útil de 31,86%, enquanto Chavantes acumula 13,85%. Os reservatórios de Capivara (PR/SP), também na calha do rio Paranapanema, e Mauá (PR), no rio Tibagi, estão respectivamente com 42,69% e 36,26% de seus volumes úteis. Devido à baixa acumulação de Chavantes, o reservatório de Jurumirim será utilizado por estar a montante (acima). Em 9 de janeiro de 2019, as UHEs de Jurumirim, Chavantes, Capivara e Mauá acumulavam respectivamente 17,27%, 18,84%, 41,61% e 20,67%.

 

Além da ANA e do ONS, participaram da reunião representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), CTG Brasil, Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Paranapanema (CBH-ALPA), Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema (CBH-PP), Votorantim Energia e Comitê da Bacia do Rio Paranapanema (CBH-Paranapanema). A próxima reunião está marcada para a próxima sexta-feira, 17 de janeiro.