Sudeste continua com a maior variação no CMO horário

Nos demais três submercados a variação do CMO está no mesmo patamar, com 6,39%

A oscilação dos valores do CMO semi horário nesta segunda-feira, 20 de janeiro, está mais baixa do que a registrada na semana passada, mas os valores mais elevados. De acordo com os dados divulgados no site do Operador Nacional do Sistema Elétrico, o índice mais elevado calculado pelo modelo Dessem foi registrado no sudeste/centro oeste, com 7,76%. O mais baixo ficou em R$ 331,96/MWh e o mais elevado em R$ 357,73/MWh. O CMO médio ficou em R$ 346, 36/MWh.
No demais três submercados a variação intraday alcançou o mesmo patamar, 6,39%, resultado do valor mínimo de R$ 339,15/MWh e o mais elevado a R$ 360,81/MWh. Apesar disso, o CMO não esteve equacionado o tempo todo nessas regiões, no sul houve leve descolamento em alguns momentos do dia a partir das 6h da manhã, e em outros momentos pontuais como às  19h às 20h. Com isso os valores médios diferiram levemente sendo de R$ 351,01 no norte e nordeste enquanto no sul ficou em R$ 351,34/MWh.
O ONS passou a aplicar o modelo Dessem a partir de 1o. de janeiro deste ano para fins de operação apenas. No âmbito comercial o modelo passará a vigorar na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica em janeiro de 2021. Até lá continua a ser utilizado o PLD na base semanal por patamar de carga. Para esta semana operativa que se encerra na sexta-feira, 24 de janeiro, os valores continuam equacionados em todos os submercados do país à média de R$ 355,42/MWh, reflexo da carga pesada a R$ 362,03/MWh, a média a R$ 356,87/MWh e a leve a R$ 351,38/MWh. Nesta semana o valor médio subiu 32% ante a semana passada.