Universalização em Roraima deve custar R$158 milhões

Proposta da Roraima Energia prevê atendimento a 9,6 mil consumidores rurais, majoritariamente indígenas e ribeirinhos

A proposta apresentada pela Roraima Energia para a universalização do acesso à energia elétrica no estado prevê o atendimento a 9.632 domicílios rurais até 2021, ao custo de R$ 158,2 milhões. Os investimentos serão custeados integralmente pela Conta de Desenvolvimento Energético, por meio do Programa Luz para Todos.

Do total de domicílios previstos no plano da distribuidora, 8.276 terão ligações convencionais e 1.356 serão atendidos por meio de sistemas de geração descentralizada. As novas ligações serão feitas nos 15 municípios da área de concessão, entre eles a capital Boa Vista.

Grande parte da população não atendida é formada por comunidades indígenas e ribeirinhas. A estimativa da distribuidora é de que existem 7.200 domicílios sem atendimento nessas comunidades.

O ano limite para a universalização do serviço em Roraima era 2019, mas as metas não foram cumpridas em razão de dificuldades enfrentadas pela Eletrobras, no período que antecedeu a privatização da empresa. De 2011 a 2018, foram feitas em média 1.227 novas ligações por ano, com um total 9.819 unidades consumidoras atendidas.

A revisão do plano de universalização de Roraima ficará em consulta pública na página da Agência Nacional de Energia Elétrica de 30 de janeiro a 16 de março. As contribuições podem ser enviadas para o email cp003_2020@aneel.gov.br, ou por correspondência para o endereço da Aneel: SGAN, Quadra 603, Módulo I, Térreo, Protocolo Geral, CEP: 70830-110 – Brasília-DF.