Projeto quer permitir linhas de transmissão em terras indígenas

Autor da proposta que está em análise no Senado é de parlamentar de Roraima, estado que não está integrado ao SIN por dificuldades com o traçado do linhão Manaus - Boa Vista

Um projeto de lei que está em análise no Senado tem como proposta permitir a passagem de linhas de transmissão por terras indígenas. A matéria, de autoria do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), aguarda designação de relator na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). O PLP 275/2019 define a passagem de desses empreendimentos como de relevante interesse público da União e prevê que a declaração de relevância seja feita por decreto do presidente da República, ouvidas as comunidades indígenas afetadas. Os procedimentos de audição das comunidades e de cálculo da compensação financeira serão objeto de regulamentação do Poder Executivo, estabelece o texto.
O artigo 231 da Constituição Federal proíbe a ocupação, o domínio e a posse de terras indígenas ou a exploração das riquezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes. A exceção são as atividades classificadas como “relevante interesse público da União”, mas que precisam ser regulamentadas por lei complementar.
Na justificativa da proposta, o autor ressalta que, embora seja necessário o respeito às comunidades indígenas afetadas, é também imprescindível considerar o interesse de todos na instalação dessa modalidade de infraestrutura. Um exemplo citado é o impasse acerca do licenciamento do Linhão Manaus a Boa Vista, que causa dependência de cerca de meio milhão de habitantes de Roraima à energia gerada por térmicas a diesel.
De acordo com Rodrigues, a proposição procura assegurar às comunidades indígenas a obtenção de compensação financeira pela instalação da rede, estabelecendo que ela seja proporcional à remuneração obtida com a prestação do serviço público de transmissão de energia. Isso garantirá, segundo ele, um ressarcimento adequado, ao longo de toda a vida útil do equipamento, pelos efeitos decorrentes do uso parcial da terra indígena.
Após a análise da CDH, a proposta seguirá para apreciação das Comissões de Infraestrutura (CI) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).
As informações são da Agência Senado