Em 2022, metade da energia eólica da Neoenergia estará no ACL

Empresa aposta no leilão A-4 de térmicas desse ano para continuar com Termope

Metade da capacidade eólica da Neoenergia deverá estar destinada ao mercado livre em 2022, após a conclusão dos Complexos Eólicos Oitis, de 566,5 MW e Chafariz (PB-565 MW). Em teleconferência de resultados realizada nesta terça-feira, 18 de fevereiro. De acordo com o CEO da empresa, Mario Ruiz-Tagle, 25% dessa energia já foi comercializada para os anos de 2022 e 2024 a preços médios de R$ 190/ MWh. O Complexo Oitis está localizado nos estados do Piauí e da Bahia e conta com 12 parques.  “Assegura a participação da Neoenergia no movimento de  liberação do mercado de energia brasileiro, afirma. A GE vai fornecer as turbinas para Oitis. Em 2019, a empresa investiu R$ 143,3 milhões na implantação e operação de eólicas.

Ainda de acordo com o executivo, a expectativa da empresa é de alcançar um bom crescimento em 2020. Sem querer prever um percentual, Ruiz Tagle lembrou que as distribuidoras do Nordeste sempre crescem acima do PIB e que o grupo manterá a atual disciplina.

O leilão A-4, que será realizado em abril deste ano, deverá contar com a Termope, termelétrica da empresa em Pernambuco. Contratada até 2024, há a busca por uma alternativa para a sua continuidade. A usina, além de rentável, também tem se mostrado importante para a operação da região Nordeste, o que justificaria a sua contratação. “Nossa expectativa é conseguir contratar ela nesse leilão”, avisa Ruiz-Tagle, que lembra que ela não vai precisar de investimentos, por já estar em operação.

Para esse leilão e o futuro da usina, a Neoenergia também negocia com cuidado não só com a Petrobras – a atual fornecedora – um novo contrato de fornecimento de gás da térmica, mas também alternativas com fornecedores internacionais, usando estruturas de GNL que poderão ser construídas. A espanhola Iberdrola, controladora da Neoenergia está auxiliando nesse tema, pela experiência internacional que possui na área. Para Mario Ruiz-Tagle, nesse leilão de térmicas será possível definir se a política de gás barato do governo federai vai se confirmar. “Temos toda certeza operacional do ativo, o que temos que conseguir agora é um bom preço de gás para arrumar um preço no futuro contrato”, aponta.