Ações de elétricas acompanham mercado e IEE recua 7,98%

Mercados de ações recuaram em todo o mundo, por aqui Omega foi a que mais desvalorizou, seguida pela Eletrobras

O Índice de Energia Elétrica (IEEX) na B3, formado por 18 ações, que, segundo a bolsa, tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de maior negociabilidade e representatividade do setor de energia elétrica, acompanhou o mau humor do mercado e fechou o pregão desta segunda-feira em queda de 7,98%, aos 70.181,75 pontos.
As ações ordinárias da Eletrobras (ELET3) apresentaram a maior queda ao longo de todo o dia, mas depois do fechamento do mercado encerraram o dia com a segunda maior retração, 14,84% ante o fechamento da sexta-feira, 6 de março, cotadas a R$ 27,55. À frente ficaram as ações da Omega (OMGE3) com a maior baixa do dia, encerraram o dia valendo 15% a menos, R$ 34. Logo depois veio a Light, com queda de 10,67%, a R$ 19, a terceira maior baixa, seguida de perto pela Equatorial (EQTL3) que caiu 10,64%, a R$ 22,25.
Todas as empresas perderam valor de mercado na bolsa, a menor baixa ficou com a CPFL Renováveis (CPFR3) que fecharam em R$ 16,85, variação de 0,88%. A segunda menor ficou com as UNITs da Taesa (TAEE11), queda de 3,30%, a R$ 28,76 e as ações preferenciais da Cteep (TRPL4) com queda de 3,79%, cotadas a R$ 21,60.
Evolução do IEEX em um mês
O dia de nervosismo no mercado financeiro já era esperado por conta das disputas entre a Arábia Saudita e Rússia quanto ao preço do petróleo. Na noite de domingo, segunda-feira na Ásia os indicadores já recuavam de forma expressiva. Esse novo choque de preços do petróleo, que teve o barril cotado na casa de US$ 31 o barril, queda de 24,6% às 16h, refletia essas tensões, acirradas em função da queda da demanda motivadas pelo coronavírus.
O aumento de produção num cenário de queda mundial pela disputa entre os dois países membros da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) levou a commodity a iniciar o dia com quedas mais expressivas, 30%. O país árabe, que detém a maior reserva do mundo, respondeu a uma medida do governo russo que decidiu não aderir a um acordo para a redução da produção.
Como consequência, a bolsa de valores de São Paulo encerrou o dia em queda de 12,17%, sendo que as ações da Petrobras, as mais negociadas e que possuem maior peso no principal índice nacional fecharam com perdas próximas a 30%. Os papeis ON a R$ 16,92 (-29,68%) e as preferenciais a R$ 16,05 (-29,7%).
*Com informações da Agência Brasil