Energia mais barata contribui para desaceleração do IPCA-15 em março

Queda de 1,30% nas contas de luz influenciou o menor resultado do índice desde o início do Plano Real

A diminuição do valor cobrado pela energia elétrica no país é um dos destaques que contribuíram para a desaceleração do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) de março, que ficou em 0,02%, menor resultado para o mês desde o início do Plano Real, em 1994. Segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Pesquisa (IBGE), nesta quarta-feira, 25 de março, a conta de luz ficou em média 1,30% mais barata para o consumidor, provocando queda de 0,28% no Grupo Habitação.

Vale lembrar que nesse mês vigorou a bandeira tarifária verde, em que não há cobrança adicional na conta de luz. Em fevereiro, a energia havia também recuado, mas em menor escala (-0,12%). O boletim também cita o reajuste nas tarifas de duas concessionárias elétricas no Rio de Janeiro (-0,99%), a partir de 15 de março. As regiões no país apresentaram variações, indo desde o recuo de 3,50% em Goiânia, onde houve redução de PIS/COFINS e da contribuição de iluminação pública, até a alta de 0,83% em Fortaleza.