Covid-19: Copel não vê condições de haver leilões em abril

Em teleconferência, presidente diz que conjuntura de mercado pede decisão

A Copel acredita que os leilões de energia A-4 e A-5 que seria realizado no próximo mês de abril não acontecerá na data prevista em virtude da pandemia da Covid-19. Em conferência com analistas de mercado realizada nesta sexta-feira, 27 de março, o presidente da empresa, Daniel Slaviero, revelou sua impressão sobre o certame. “Não tem condição nenhuma do leilão ser realizado em 30 de abril, é questão de tempo que haja esse adiamento, é inexorável”, afirma. Segundo o executivo, o assunto já está na pauta do ministério e o leilão A-4 de Energia Nova de junho também deverá seguir o mesmo caminho, enquanto o A-6 de dezembro deverá ser o único a não ter seu prazo alterado.

Slaviero disse que ainda assim a Copel está preparada para o leilão de abril, mesmo considerando a sua realização improvável. O leilão de transmissão de fim de ano deverá contar com a Copel, por ter ativos de interesse da empresa no interior de São Paulo  e no próprio Paraná, que fariam sentido. O presidente pediu cuidado no tratamento dos contratos do mercado livre. Segundo ele, clientes de alguns  setores, como o hoteleiro já pedem redução de carga ou renegociação de contrato, o que está sendo visto caso a caso. Nos contratos do mercado regulado, Slaviero ainda não viu riscos ou discussões para que os PPAs não sejam honrados, mas a empresa monitora o mercado.

Na distribuição, a queda no volume de energia tem variado entre 8% e 9%. A empresa considera prematuro fazer qualquer tipo de previsão de impacto desse recuo no resultado financeiro, já que isso ainda vai depender de ações mitigatórias tomadas pelo regulador. A expectativa é de que alguma medida seja tomada pela Agência Nacional de Energia Elétrica, uma vez que essas concessionárias são os grandes arrecadadores do setor.

Araucária – Com a entrada em operação de um trecho da transmissora Mata de Santa Genebra, o escoamento das grandes hidrelétricas para a região do Sul aumentou e a relevância da usina reduziu. Porém a térmica a gás da Copel está operando como energia substituta, em acordo com a Petrobras. Com o baixo nível dos reservatórios do Sul, ela chegou a operar por duas semanas fora da ordem de mérito no tipo merchand.