Angra 1 e 2 operam com carga máxima a pedido do ONS

Centrais nucleares garantem abastecimento elétrico em meio à pandemia, enquanto distribuidoras inspecionam rede em hospitais e adotam automatização para gestão de dados; Enel lança seguro para todos funcionários

Ainda que a conjuntura atual aponte para um cenário de queda do consumo de energia elétrica no país, a Eletronuclear informou nesta sexta-feira, 27 de março, que tem sido demandada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) a operar em carga máxima as usinas de Angra 1 e 2, que vêm funcionando acima da potência nominal, com 647 MW e 1.355 MW, respectivamente. Na visão do presidente da estatal, Leonam dos Santos Guimarães, a relevância das centrais nucleares é notória.

“Angra 1 e 2 geram energia limpa e segura perto dos grandes centros consumidores do país, além de contribuir para a estabilização da rede elétrica. Nesse período conturbado, mantemos o compromisso de garantir o fornecimento de energia de base para o Sistema Interligado Nacional (SIN)”, salientou.

Para proteger a saúde de seus colaboradores, a empresa vem tomando algumas precauções: trabalham presencialmente, em regime de turno, apenas os empregados essenciais da unidade de Angra dos Reis. Os demais realizam teletrabalho, sendo que a sede da companhia, no Rio de Janeiro, permanece fechada. Além disso, aqueles que continuam na empresa têm a temperatura corporal monitorada. A medida também vale para prestadores de serviços e responsáveis por entregas de material. Por fim, a higienização das instalações foi redobrada.

Distribuidoras inspecionam hospitais, unidades de saneamento e presídios

As equipes técnicas das distribuidoras da Neoenergia estão intensificando as vistorias técnicas especiais em mais de 1,2 mil unidades de saúde, num esforço para garantir o pleno funcionamento energético para a iluminação e equipamentos essenciais nesse momento, como os aparelhos respiradores. O trabalho da Coelba, Celpe, Cosern e Elektro tem sido centrado em identificar soluções para fatores que podem causar eventuais problemas na rede elétrica que atende os hospitais.

Em Pernambuco, a Celpe mapeou 400 unidades para as vistorias. No estado vizinho ao sul, a Coelba está atendendo 562 unidades, sendo 149 hospitais prioritários e 413 centros de saúde. A Cosern está fazendo inspeções em 70 no Rio Grande do Norte, enquanto no interior de São Paulo e no Mato Grosso do Sul, a Elketro já visitou 178 hospitais.

As inspeções são realizadas em subestações, redes e cabines. De acordo com a necessidade, pode haver também a poda de árvores, elaboração de projetos para avaliar a capacidade instalada e análise dos geradores. Além das visitas técnicas, há um canal direto entre os hospitais e as concessionárias de energia para que seja feito um atendimento mais ágil em caso de emergências envolvendo o sistema elétrico. Trabalho semelhante tem sido empreendido em 114 unidades de companhias de saneamento e 45 unidades prisionais dos estados atendidos pelas empresas.

Concessionárias recorrem à automatização durante quarentena

A empresa que fornece os equipamentos para leitura remota do consumo energético nos locais que possuem medidores eletrônicos, CAS Tecnologia, anunciou que está liberando gratuitamente o acesso de todas as distribuidoras a um de seus softwares de gestão de dados, para que os técnicos possam dar mais atenção às situações de exceção neste período de isolamento social.

Segundo a companhia, a ferramenta automatiza tarefas repetitivas, como a configuração dos seus módulos de comunicação dos equipamentos de medição, que se manterão programados. Com isso, os colaboradores responsáveis por essa constante checagem de dados, que também estão trabalhando de forma diferenciada e fora dos escritórios, podem focar mais em situações que saiam da normalidade, neste período de constante trabalho e equipes mais exigidas.

Além do desafio de manter em funcionamento um serviço essencial em meio ao trabalho remoto, Octávio Brasil, Marketing Manager na CAS Tecnologia, afirma que a empresa teve esta iniciativa ao constatar a importância, nesse momento delicado, da atuação das equipes e das variações nos dados de consumo. Para ele o setor de distribuição de energia tem administrado uma situação diferente em relação ao seu padrão normal, com um grande número de pessoas trabalhando em casa durante todo o dia, alterando a demanda por carga na rede entre os diferentes períodos do dia.

“O objetivo é contribuir com algo útil neste momento, como a liberação dos analistas de algumas tarefas repetitivas para atenderem necessidades mais imediatas nos processos e no sistema de distribuição de energia”, completa Octávio.

Enel anuncia seguro covid-19

Já com foco nos recursos humanos, o Grupo Enel estabeleceu uma apólice de seguro para cobrir seus mais de 68 mil funcionários em todo o mundo em caso de hospitalização por conta da Covid-19. Segundo a companhia, a medida proverá benefícios adicionais além daqueles oferecidos por todas as outras apólices de seguro e formas de assistência médica já disponíveis para os colaboradores do grupo. A ferramenta, desenvolvida em colaboração com a empresa Aon SpA, foi ativada imediatamente em todos os países onde a Enel atua.