Brasil apresenta queda na produção de petróleo e gás em fevereiro

Para ANP, resultado foi impactado por paradas programadas e outras necessárias para mitigar riscos operacionais em algumas instalações; Volumes no entanto são superiores ao previsto pelo Plano Anual de Produção

Depois de atingir recorde histórico em janeiro, a produção de petróleo e gás natural no Brasil caiu para 3,783 milhões de barris de óleo por dia no mês de fevereiro, sendo 2,972 MMbbl/d de petróleo e 129 MMm3/d de gás natural, informa a Agência Nacional do Petróleo (ANP), por meio do seu Boletim Mensal de Produção. A prospecção de óleo reduziu 6,2% em relação a janeiro e aumentou 19,4% na comparação com o mesmo período de 2019. Já a de gás natural reduziu 7,1% em relação a janeiro e aumentou 17,1% na comparação com fevereiro de 2019.

Segundo a ANP, a queda na produção na comparação com janeiro foi provocada principalmente pela ocorrência de paradas programadas e outras necessárias para a mitigação de riscos de segurança operacional em algumas instalações. No entanto, o boletim ressalta que os volumes produzidos neste mês foram superiores àqueles previstos no Plano Anual de Produção (PAP) de 2020, cujos volumes eram 2,762 MMbbl/d de petróleo e 119,291 MMm3/d de gás, aumento puxado pela redução da duração da parada programada do FPSO Cidade de Maricá, no campo de Lula, e pela postergação de parada programada de outra unidade.

Pré-sal

A produção no Pré-sal durante o período teve origem em 118 poços e correspondeu a 66% da escala nacional, totalizando 2,497 MMboe/d, sendo 1,993 MMbbl/d de óleo e 80,129 MMm3/d de gás natural. Em relação ao mês anterior, a produção total diminuiu 6,9% e, em relação a fevereiro de 2019, cresceu 36,8%.

Já o aproveitamento de gás ficou em 97,2%, sendo disponibilizados ao mercado 61,4 MMm³/dia. A queima do insumo no mês foi de 3,644 MMm³/d, recuo de 9,7% quando comparada ao mês anterior e de 28,7% frente ao mesmo mês em 2019.

Campos e outros destaques

Os campos marítimos prospectaram 96,7% do petróleo e 82,8% do gás natural, com os operados pela Petrobras representando 93,3%. Com relação aos campos operados com participação exclusiva da empresa, foram 39,5% do total.

O campo de Lula, na Bacia de Santos, foi o maior produtor, registrando 974 Mbbl/d de petróleo e 41,3 MMm3/d de gás. A plataforma FPSO Cidade de Mangaratiba, com atividade no campo por meio de oito poços a ela interligados, produziu 147,577 Mbbl/d e 7,917 MMm³/d respectivamente, sendo a instalação com maior produção de ambos.

Em fevereiro, entre 295 áreas concedidas, duas áreas de cessão onerosa e cinco de partilha, operadas por 34 empresas, foram responsáveis pela produção nacional. Dessas, 76 são marítimas e 226 terrestres, sendo nove relativas a contratos de áreas contendo acumulações marginais. A atividade aconteceu em 7.141 poços, sendo 645 marítimos e 6.496 terrestres.