Absolar propõe ao governo instalar sistemas em consumidores de baixa renda

Medida reduziria efeitos da crise trazida pela Covid-19 e traria uma economia de R$ 817 milhões nas contas ao longo de 25 anos

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica acaba de apresentar uma proposta de criação de um programa emergencial para instalar sistemas solares fotovoltaicos em consumidores de baixa renda com Tarifa Social, como forma de aliviar os efeitos da crise econômica decorrente do isolamento social indispensável no combate ao coronavírus COVID-19. A medida, apresentada ao Ministério de Minas e Energia e aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, poderia, segundo estimativas da associação, trazer uma economia de R$ 817 milhões ao longo de 25 anos nas contas de luz dos consumidores de baixa renda, bem como aumentar a arrecadação direta e indireta em R$ 237 milhões aos cofres públicos.

A proposta foi elaborada como suporte à intenção do governo de isentar, por três meses, a cobrança de energia elétrica sobre os consumidores cadastrados no Programa Tarifa Social. A proposta inicial do governo demandaria aproximadamente R$ 1,05 bilhão em recursos no período. De acordo com a entidade, parte do valor poderia ser revertido na instalação de 87,5 mil sistemas fotovoltaicos, com benefícios adicionais de geração de novos postos de trabalho no País e proporcionando uma economia total de R$ 253 milhões na Conta de Desenvolvimento Energético em 25 anos.

Segundo o presidente do Conselho da Associação, Ronaldo Koloszuk, a intenção é contribuir com o debate iniciado no governo, de viabilizar a redução dos impactos econômicos sobretudo para a população mais vulnerável. Para ele, a proposta tem grande potencial de alívio financeiro aos cidadãos de baixa renda e permite o fortalecimento das ações de recuperação da economia, com geração de emprego e renda de forma mais rápida. Para o CEO da Absolar, Rodrigo Sauaia, BSOLA, o ganho do programa seria duradouro, já que os equipamentos possuem vida útil de mais de 25 anos. Segundo ele, também haveria uma expressiva redução estrutural nos valores da CDE, diminuindo o  encargo,  que hoje é rateado na conta de luz de todos os brasileiros.