Ricardo Brennand morre aos 92 anos

Empresário teve atuação destacada em vários setores industriais e na cultura

Faleceu na madrugada do último sábado, 25 de abril, aos 92 anos, o empresário e engenheiro pernambucano Ricardo Brennand. Ele havia testado positivo para a Covid-19. Nascido na Usina Santo Inácio, em Cabo de Santo Agostinho, Ricardo Coimbra de Almeida Brennand passou a se dedicar aos negócios da família após se formar na Universidade Federal de Pernambuco. Foram décadas de êxito empresarial nas áreas de cimento, azulejos, vidro, cerâmica, aço e energia. A Brennand Energia teve origem no ano 2000, começando as suas atividades com a construção das PCHs Antônio Brennand, Indiavaí e Ombreiras. O grupo profissionalizou-se e desenvolveu uma expertise própria de implantação das centrais hidrelétricas de forma eficiente, racional e com sustentabilidade.

Além de energia, hoje o Grupo Ricardo Brennand tem braços na área de Cimentos, Investimentos, Empreendimentos Imobiliários e Asset Managements. A Brennand Energia, hoje tem 600 MW, sendo 350 MW na fonte hídrica, 250 MW de eólicas em operação e 94 MW de eólicas em construção, entrando em operação no início de 2021.

Ricardo Brennand não se notabilizou apenas como empresário, mas também como um grande incentivador das artes. Ao inaugurar o Instituto Ricardo Brennand, no bairro da Várzea, em setembro de 2002, ele deu ao público um complexo de edificações constituído pelo Museu Castelo São João (museu de armas brancas), Pinacoteca, Biblioteca, Auditório, Jardins das Esculturas e uma Galeria para exposições temporárias e eventos. A construção é inspirada em um castelo do interior da França e tem um acervo valioso de milhares de peças. A coleção de armas brancas é uma das cinco maiores do mundo, com cerca de 4.5o0 peças. O centro cultural possui ainda a maior coleção de particular de Frans Post, o primeiro paisagista das Américas. O Instituto Ricardo Brennand já recebeu mais de três milhões de pessoas.