Absolar propõe doação de créditos de energia para instituições de saúde

Medida, que demanda alteração regulatória, prevê a transferência do excedente de energia de consumidores com sistemas de geração distribuída

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) propôs à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a doação dos créditos excedentes da geração distribuída, por um período de seis meses, às instituições de saúde que atuam no combate ao novo coronavírus, causador da Covid-19. A medida requer uma adequação pontual das regras vigentes do Sistema de Compensação de Energia Elétrica, para que os usuários da geração distribuída renovável pudessem doar, de forma voluntária, seus créditos para tais instituições.

A ideia surgiu a partir das interações de Ricardo Rizzotto, empreendedor marauense, com um de seus clientes usuário de energia solar fotovoltaica, que possui créditos acumulados e gostaria de fazer mais pela sociedade neste momento delicado. A Absolar está trabalhando para viabilizar a sugestão que tem atraído o interesse de diversos integradores e consumidores dispostos a colaborar com a iniciativa.

O Brasil possui 2,8 GW de potência instalada em geração distribuída, o que representa, em média, uma geração de energia elétrica equivalente a 408 GWh/mês. Segundo cálculos da associação, com a doação de apenas 1% desse total, seria possível proporcionar uma economia na conta de luz das instituições beneficiadas de aproximadamente R$ 2,28 milhões ao mês. No caso de uma adesão de 5% do total gerado via geração distribuída, o benefício representaria R$ 11,4 milhões por mês de redução de custos aos estabelecimentos beneficiados. O cálculo considerou o valor de médio da tarifa de energia elétrica do Brasil, de R$ 0,56 por quilowatt hora (kWh).

“A implantação dessa medida não demandaria nenhuma adequação técnica por parte dos consumidores, das distribuidoras ou das instituições beneficiadas. Basta a permissão regulatória – que a Aaneel pode conceder em caráter excepcional e por tempo determinado”, observou Bárbara Rubim, vice presidente da Absolar, em nota à imprensa.