Total quer neutralizar emissões até 2050

Para empresa, estratégia fornece vantagem competitiva que cria valor a longo prazo

A Total anunciou nesta terça-feira, 5 de maio, o objetivo de ser carbono neutro até 2050 juntamente com a sociedade para seus negócios globais em seus produtos de produção e energia usados por seus clientes. A ação acontece através de uma declaração conjunta desenvolvida entre a Total S.A. e os investidores institucionais – como participantes da iniciativa global de investidores Climate 100 + 1.

De acordo com a empresa, a meta é sustentada pela estratégia de desenvolver a Total como uma empresa de energia ampla, com petróleo e gás, eletricidade de baixo carbono e soluções de neutralidade de carbono como partes integradas de seus negócios. A Total acredita que essa estratégia de baixo carbono fornece uma vantagem competitiva que cria valor a longo prazo para os seus acionistas. Ainda segundo a Total, essa estratégia já está em vigor desde 2015, já que a empresa é líder em termos de redução da intensidade média de carbono, com uma redução de 6% já alcançada desde então.

A neutralidade vai ser obtida nas operações mundiais da Total até 2050 ou mais cedo e em todos os seus produtos de produção e energia usados por seus clientes na Europa até 2050 ou mais cedo. A empresa também quer redução de 60% ou mais na intensidade média de carbono dos produtos energéticos utilizados em todo o mundo pelo total de clientes até 2050.

Para Patrick Pouyanné, presidente do Conselho da empresa, os mercados de energia estão mudando, impulsionados pelas mudanças climáticas, tecnologia e expectativas da sociedade. Segundo ele, a Total está comprometida em ajudar a resolver o duplo desafio de fornecer mais energia com menos emissões. Ele vê a empresa determinada a avançar na transição energética, além de aumentar o valor para os acionistas. Segundo Pouyanné, o conselho acredita que o roteiro, estratégia e ações globais da Total estabelecem um caminho consistente com os objetivos do acordo de Paris.

De acordo com Valentina Kretzschmar, vice-presidente de Pesquisa Corporativa, a Total vem liderando os esforços de transição energética entre os maiores players e é o maior gastador, respondendo por quase 60% dos gastos totais em fusões e aquisições dos maiores players europeus em energias renováveis, ou quase US$ 5 bilhões desde 2016. Segundo ela, o compromisso mais profundo da empresa em cumprir as metas de carbono mostra sua direção estratégica para a diversificação de energias limpas, apesar dos baixos preços do petróleo e da implementação de medidas de redução de custos em seus negócios de petróleo e gás.

Ela considera que a mudança é um desenvolvimento positivo para a transição energética no setor de petróleo e gás. A expectativa e que isso acelere no mundo pós-corona vírus, especialmente na Europa. O Acordo Verde da UE, bem como o objetivo do Reino Unido de alcançar carbono líquido nulo até 2050 continuará a aumentar a pressão sobre as empresas para se comprometerem com energia limpa e desenvolver estratégias de mitigação de carbono.