Enel SP investe R$ 12 milhões e vê ocorrências na alta tensão caírem 60%

Tecnologias para manutenção preditiva incluem mapeamento digital de torres e linhas de subtransmissão, além do uso de dois drones e instalação de 240 sensores em 29 transformadores de potência nas subestações da empresa

A Enel Distribuição São Paulo investiu cerca de R$ 12 milhões em tecnologias para monitoramento online de subestações, transformadores e mapeamento digital de torres de transmissão, além de usar dois drones para inspeção da rede elétrica, informou a companhia. As ações acontecem desde o início do ano, e foram responsáveis por reduzir em mais de 60% o número total de ocorrências na rede de alta tensão no mês de março.

Segundo a subsidiária paulista do Grupo Enel, mais de 6.200 torres de subtransmissão são monitoradas quanto ao crescimento da vegetação do entorno e possíveis defeitos. Em ambos os casos, é possível fazer o planejamento das podas e das manutenções nos empreendimentos, tornando o trabalho mais assertivo e evitando intercorrências. As imagens são atualizadas duas vezes ao ano, por meio de voos realizados em helicópteros. Há também o trabalho feito com o uso de dois drones, que sobrevoam as regiões identificando anomalias a partir da inspeção visual e termográfica.

Cerca de 240 sensores foram instalados em 26 transformadores de potência nas SEs, localizadas em regiões com grande demanda de carga, estes capazes de informar ao Centro de Controle quando há alterações no funcionamento.

A empresa também investiu em uma estrutura que trabalha na coordenação das lógicas de proteção e, por meio de um laboratório, simula eventuais problemas e desenvolve soluções de restabelecimento automático digital. Câmeras de monitoramento também foram colocadas nas subestações.

“No início deste ano, nossa área de concessão foi impactada com fortes chuvas. Por meio desse monitoramento, pudemos acompanhar se alguma subestação estava alagada e se o nível da água comprometeria ou não os equipamentos”, explica Marcelo Puertas, responsável por Alta Tensão na Enel Distribuição São Paulo.

Ainda nas SEs, está sendo utilizada a termo visão em equipamentos menores, como em conexões e painéis. “Todas essas tecnologias nos ajudam a realizar manutenções preditivas e, não mais, preventivas. Ou seja, estamos evitando a ocorrência de interferências no fornecimento de energia para nossos consumidores, lembrando que uma subestação é capaz de abastecer, em média, 200 mil clientes”, disse Puertas.

De acordo com Rosario Zaccaria, diretor de Infraestrutura e Redes da Enel Distribuição São Paulo, esses investimentos fazem parte do Urban Futurability – Vila Olímpia Digital, lançado em 2019 e que transformará a rede elétrica no bairro da Vila Olímpia. “As tecnologias testadas no projeto e que apresentarem resultados positivos serão, progressivamente, expandidas para toda a nossa área de concessão. Em alta tensão, já estamos com elas em funcionamento”, explica.