Cemig atende hospital de BH e prevê R$ 6,2 bi para reforços na rede estadual

Companhia utilizou equipe especial de Linha Viva para manutenção na Média Tensão de unidade de saúde na capital e anuncia aporte que irá contemplar construção de 80 subestações no estado

Em função da incessante disseminação do coronavírus no país, a Cemig atendeu a um pedido do hospital Odilon Behrens, em Belo Horizonte, para desligamento da rede de Média Tensão visando possibilitar a substituição de um dos tanques de oxigênio utilizados pela instituição no atendimento de pacientes com a Covid -19.

O superintendente de Expansão e Manutenção Preventiva da companhia, Ernando Antunes Braga, explicou que em condições normais a unidade seria desligada até que a troca do tanque fosse completada. No entanto, a concessionária optou pelo atendimento utilizando uma equipe especializada de Linha Viva, que atua na manutenção de redes de média tensão sem a necessidade de desligamento do circuito.

Dessa forma, durante o procedimento, a rede de Baixa Tensão permaneceu energizada e nenhum cliente precisou ser desligado. “Por ser uma atividade complexa envolvendo cliente especial, prestador de serviços essenciais à sociedade, foi realizado um minucioso planejamento da atividade que contou com uma equipe multidisciplinar”, comenta o superintendente da companhia.

A ação vem ao encontro a recente aprovação da Aneel para um conjunto de medidas que garanta a continuidade do serviço de distribuição de energia elétrica, protegendo clientes e funcionários das elétricas em meio ao cenário de pandemia. “Desta forma, as distribuidoras deverão priorizar atendimentos de urgência e emergência, assim como os pedidos de ligação ou aumento de carga para locais de tratamento da população e os que não necessitem de obras para efetivação”, salienta Braga.

Equipe de Linha Viva atua na manutenção de redes de média tensão sem a necessidade de desligamento do circuito (foto: Cemig)

Aporte de R$ 6,1 bi para reforços na rede

Entre 2018 a 2022, o investimento da companhia mineira em melhorias em linhas de distribuição, subestações, religadores, redes de média e baixa tensão e medidores, chegará ao montante de R$ 6,2 bilhões. O valor contribuirá para viabilizar o desenvolvimento econômico e social do estado, uma vez que será distribuído por todas as regiões. Para 2020, os investimentos previstos são da ordem de R$ 1,7 bilhão.

Ernando Braga destaca que os aportes trarão benefícios para a população, como a redução de interrupções de energia para clientes urbanos e rurais e redes mais seguras com o combate aos ‘gatos’ por meio de medição inteligente e fornecimento de energia com qualidade. “Também teremos fontes de energia mais robustas e mais próximas dos clientes com a construção de 80 subestações em todo o estado”, informa.