Engie obtém financiamento do BNDES para Campo Largo 2 e Gralha Azul

Companhia assinou contrato de R$ 2,6 bilhões com o Banco para implementar segunda fase do complexo eólico na Bahia e o sistema de transmissão no Paraná

A Engie Brasil Energia informou nessa quarta-feira, 20 de maio, que assinou um contrato de financiamento com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no valor de R$ 2,6 bilhões para implantação do Conjunto Eólico Campo Largo 2, nos municípios de Umburanas e Sento Sé (BA) e do Sistema de Transmissão Gralha Azul (PR).

A entrada em operação do empreendimento eólico está prevista para o início de 2021, tendo sido integralmente viabilizado por mais de 60 contratos firmados, de forma antecipada, com clientes do mercado livre e contará com capacidade instalada de 361,2 MW. O financiamento é de R$ 1,2 bilhão, com prazo de amortização de 220 meses, o que representa cerca de 80% dos investimentos a serem realizados no projeto.

Já Gralha Azul está com as obras em andamento em diversas frentes no estado do Paraná, afirma a companhia, indicando 15 trechos de linhas de transmissão com um total aproximado de mil quilômetros de extensão, interligando cinco novas subestações e outras cinco ampliadas. O financiamento é de R$ 1,4 bilhão, com amortização de 246 meses, o que também representa cerca de 80% dos aportes a serem realizados. O prazo limite para início da operação é março de 2023, mas a Engie estima reduzir o prazo em pelo menos 12 meses.

“Estes dois financiamentos são fruto do trabalho de equipe de diversas áreas da empresa e do BNDES, que em espírito de comprometimento e entrega conseguiram colocar em pé dois financiamentos importantes, mesmo nessa situação difícil que estamos todos passando diante da influência da Covid-19”, explica o diretor-presidente da Companhia, Eduardo Sattamini, salientando que os dois contratos foram firmados de forma inédita, digitalmente, com certificação pelo ICP-Brasil.