CCEE: PLD cai 8% no Sudeste/Centro-Oeste e fica em R$ 117,82/MWh

Preço sobe 3% no Nordeste e Norte, chegando a R$ 89,07/ MWh

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica informa que o Preço de Liquidação das Diferenças, para o período de 20 a 26 de junho teve queda de 8% nos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul, saindo de R$ 127,68/MWh para R$ 117,82/MWh. Para os submercados Norte e Nordeste o preço teve alta de 3%, saindo de R$ 86,21/MWh para R$ 89,07/MWh. O principal fator responsável pela diminuição do PLD foi a expectativa de aumento de afluências do submercado Sudeste/Centro-Oeste e Sul e os níveis de armazenamento dos reservatórios do Sul acima do esperado.

Os limites de recebimento de energia da região Sudeste provenientes do Nordeste e do Norte foram atingidos em todos os patamares de carga, descolando os preços médios dos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul em relação aos demais. Espera-se que as afluências de junho de 2020 fechem em torno de 81% da média de longo termo para o sistema, sendo aproximadamente 76% na região Sudeste/Centro-Oeste, 70% na região Sul, 74% na região Nordeste e 111% na região Norte.

A expectativa para a próxima semana operativa é de que a carga para o Sistema Interligado Nacional fique cerca de 242 MW med mais baixa do que a previsão anterior, com alta no Sudeste/Centro-Oeste, com 112 MW med e no Norte, de 44 MW med. O Sul, com recuo de 299 MW med e o Nordeste, com baixa de 100 MW med apresentaram reduções em relação à estimativa anterior.

Já os níveis dos reservatórios do SIN ficaram cerca de 2.509 MW med acima do esperado. Os níveis estão 613 MW med mais altos no submercado Sudeste e 2.069 MW med no Sul. O submercado Norte tem previsão de baixa de 173 MW médios e o Nordeste não teve alteração em relação à expectativa anterior. O fator de ajuste do MRE estimado para o mês de junho de 2020 passou de 75,8% para 74,9%. O Encargo de Serviços do Sistema para junho de 2020 tem previsão de R$ 14,9 milhões, sendo R$ 9,5 milhões devido a restrições operativas, R$ 1 milhão devido à segurança energética e R$ 4,4 milhão a Unit Commitment.