Eneva faz nova proposta à AES Tietê com prêmio de 10%

Além da troca de ações, negociação prevê o pagamento de R$727,9 milhões

A geradora termelétrica e produtora de gás natural Eneva fez uma nova proposta de combinação de negócios à AES Tietê, segundo fato relevante divulgado nesta quinta-feira, 23 de julho.

A proposta foi apresentada ao BNDESPar, que já havia manifestado interesse em vender sua participação na AES Tietê, equivalente a 28,41% do capital total. Em junho, o BNDESPar contratou a BR Partners Assessoria Financeira para prospectar potenciais interessados na aquisição.

No início de março, a AES Tietê foi alvo de uma oferta hostil de combinação de negócios que partiu da Eneva. No entanto, a oferta foi rejeitada pelo Conselho de Administração da Tietê, de forma unânime.

Segundo a nova proposta a ser submetida ao Conselho de Administração da AES Tietê, a proposta envolve a combinação das duas companhias com a relação de troca implícita correspondente a 0,06539522 novas ações ordinárias de emissão da Eneva para cada ação ordinária ou preferenciais de emissão da AES Tietê, ou 0,32697609 por unit, totalizando 130.498.292 novas ações ordinárias de emissão da Eneva, mais uma parcela em dinheiro de R$727,9 milhões, equivalente a R$0,36 por cada ação ordinária ou preferencial ou R$ 1,82 por UNIT (relação de troca).

“A relação de troca a ser proposta contemplaria a atribuição de um prêmio de 10% sobre o valor de mercado das duas companhias na data de 23 de julho de 2020”, frisou a Eneva. O Conselho de Administração da Eneva entende que “a combinação de negócios segue sendo uma operação com méritos e com potencial de gerar significativos benefícios para os acionistas e demais stakeholders de ambas as companhias”.

“A união das duas companhias criaria uma plataforma eficiente de ativos de geração de energia, com grande diferencial competitivo, viabilizaria a ampliação da geração de receita e menor volatilidade do fluxo de caixa, além de oferecer um salto de governança corporativa para os acionistas da AES Tietê, que passariam a compor a base acionária de uma empresa maior e com mais liquidez, listada no Novo Mercado da B3”, finalizou o comunicado.

A AES Tietê é uma das maiores geradores de energia do país, com 3,7 GW em capacidade instalada. A corporação tem valor de mercado de R$ 6 bilhões, segundo calculo realizado em 14 de abril de 2020.

Além do BNDESPar, a AES Holdings Brasil detém 24,35% do capital total da AES Tietê; a Eletrobras possui 7,94%. E pouco mais de 39,3% estão pulverizados no mercado de ações.