Light estima economia de até R$ 300 mi com acordo do GSF

Proposta atual prevê pagamento de R$ 730 milhões e extensão da concessão das usinas por 24 meses

Após a aprovação do GSF pelo Senado Federal na última quinta-feira, 13 de agosto, o diretor de Finanças da Light, Roberto Barroso, comentou que a companhia estima uma economia entre R$ 250 milhões a R$ 300 milhões ao desistir de todas ações judiciais em andamento, conforme os termos atuais do PL 3.975, que prevê ainda a quitação de R$ 730 milhões pela empresa junto ao Mercado de Curto Prazo.

Em contrapartida, a geradora teria a ampliação do prazo de concessão de suas usinas em até 24 meses para reaver os custos decorrentes de fatores externos ao risco hidrológico que impactaram seu déficit. “Já estamos com esse recurso em caixa e se a proposta for regulamentada nessa ordem de grandeza iremos submeter a aprovação para fazer o acordo, assim como foi em 2015”, resumiu o executivo.

A presidente da companhia, Ana Marta Veloso, afirmou que caso a proposta passe pela sanção presidencial, é esperado um prazo de três a quatro meses para que se tenha o conhecimento dos termos e condições para que a concessionária avalie sua participação no processo, e que a contrapartida seria a formação de um ativo intangível nos resultados da companhia, referente a extensão do prazo.

Com relação à contingências judiciais, Ana lembrou que a empresa registrou um resultado total de R$ 74 milhões no segundo trimestre, excluindo o Plano de Demissão Voluntária, conseguindo uma redução de R$ 14 milhões ante o mesmo período do ano passado, variação de quase 16%, numa evolução que captura as melhorias dos processos de atendimento ao cliente e dos processos internos.

“Estamos fazendo uma ampla reestruturação da área jurídica, com a contratação de novos profissionais e inauguração de escritórios, além de aprimorar o treinamento de advogados”, finalizou.

Emissão

Em comunicado ao mercado na última quinta-feira, 13 de agosto, a Light anunciou que seu Conselho de Administração aprovou a vigésima emissão de debêntures no valor de R$ 600 milhões em série única. O valor unitário das ações será de R$ 1 mil na forma nominativa e escritural, sem a emissão de cautelas ou certificados, informou a companhia.