Neoenergia usa realidade aumentada para manutenção de ativos

Equipes das distribuidoras do grupo executam testes com visores conectados à internet que agilizam comunicação e processos

A Neoenergia passou a adotar em agosto, em projeto piloto, a tecnologia de realidade aumentada para atividades de manutenção e inspeção de subestações e redes das suas concessionárias Coelba (BA), Celpe (PE), Cosern (RN) e Elektro (SP/MS). Os testes são realizados com dispositivos semelhantes a óculos, que possuem câmera de alta resolução, visor de cristal líquido, conexão à internet e têm entre as suas funcionalidades o acesso a aplicativos por comando de voz. Um dos objetivos da empresa é de conectar equipes em campo com especialistas nas sedes dessas distribuidoras, proporcionando maior agilidade nos processos e redução de custos com viagens. Os dispositivos já são utilizados desde abril pela área de transmissão de energia.

De acordo com Jader Carneiro, superintendente de Redes e Distribuição da Neoenergia, o uso de tecnologia garante mais eficiência nas atividades de manutenção dos nossos ativos de distribuição. Para ele, com a adoção dos dispositivos de realidade aumentada, os especialistas podem, em tempo real e de onde estiverem, orientar o trabalho dos técnicos sem a necessidade de deslocamento constante por toda a área de concessão, ganhando em agilidade e na economia de recursos.

Para os testes na área de distribuição, foram adquiridos quatro dispositivos, um para cada distribuidora. São headsets com câmera de 16 MP e visor de cristal líquido de 0,33 polegada, que, próximo ao olho, simula uma tela de 7 polegadas, tamanho maior do que a de um celular comum. Os aparelhos funcionam por comando de voz e utilizam o sistema operacional Android 8 com interface do tipo “mãos livres”, o que permite o download de aplicativos diversos para a realização de reuniões e treinamentos.

As duas funcionalidades mais usadas pelas concessionárias da Neoenergia são a mentoria remota e a visualização de documentos em formato PDF, entre eles os projetos elétricos. Como o dispositivo fica acoplado ao capacete do técnico em campo, o profissional mantém as mãos livres, facilitando o seu trabalho. No aplicativo nativo para a leitura desses arquivos, por exemplo, é possível tirar fotos ou ampliar o zoom por comando de voz. Os dispositivos têm três sensores, incluindo um giroscópio, que permite que a imagem acompanhe o movimento da cabeça do usuário. A bateria tem duração de até dez horas e possibilidade de troca sem que o aparelho precise ser desligado.

Os dispositivos são utilizados pela Neoenergia desde abril de 2020, primeiro na área de transmissão. Inicialmente, a tecnologia foi levada para testes nas novas subestações Sobral (CE), Fernão Dias (SP) e Biguaçu (SC). O modelo foi apresentado, por videoconferência, a representantes de empresas que integram o Grupo Iberdrola em países como Espanha e Estados Unidos.

Segundo Carlos Eduardo Begosso, superintendente de Operação e Manutenção em Transmissão da Neoenergia, a ferramenta vai muito além do que se previa inicialmente, que era tornar mais rápido e assertivo o suporte que os especialistas dão para as equipes de campo. Através do uso da ferramenta, hoje é possível realizar rondas de manutenção, fiscalizar a execução de serviços, acompanhar manobras de equipamentos, inspecionar equipamentos danificados, realizar fiscalização de segurança, ministrar treinamentos e ainda estudar outras aplicações.

Ainda segundo ele, com a ajuda deste dispositivo foi possível manter o prazo de entregas de uma das obras porque foi feito o comissionamento de equipamentos importados durante a pandemia de covid-19, com engenheiros estrangeiros realizando o comissionamento dos equipamentos de forma remota. Os dispositivos têm muitas outras funcionalidades, que continuarão sendo exploradas.