ONS prevê expansão de 5% na carga de outubro

Nordeste demonstra recuperação e previsão do Custo Marginal segue em alta de 55,29% em três subsistemas

A revisão do programa mensal de operação para a primeira semana de outubro sinaliza aumento de 5% na carga do Sistema Interligado Nacional (SIN) em todas as regiões na comparação com o mesmo período do ano anterior, aponta o boletim do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para a semana de 3 a 9 de outubro.

Segundo o Operador, os percentuais do subsistema Sudeste voltaram a crescer de forma relevante, com alta de 5,9% e 43.130 MW médios. A região Norte avança 7%, com 6.053 MW médios, enquanto o Sul atinge 5,3%, com carga de 12.325 MW médios. O Nordeste também demonstra recuperação, sendo esperado incremento de 0,7%, a partir de 11.494 MW médios.

A análise atribui o movimento de retomada ao gradual processo de retorno das atividades econômicas no país, aliada ainda as elevadas temperaturas. As previsões meteorológicas indicam tempo quente para as capitais do SE/CO e suave declínio das temperaturas no Sul, sobretudo em Porto Alegre e Florianópolis. Já o Norte e Nordeste seguem sem variações significativas nos termômetros e precipitação.

Assim como a carga, o Custo Marginal de Operação (CMO) mantém-se em movimento ascendente desde o início de setembro, ficando em R$ 262,04/MWh para as regiões Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte, aumento de 55,29% em relação a semana anterior. No período anterior, os submercados constavam no patamar de R$ 168,74/MWh.

No Nordeste, o crescimento é bem menor do que os 136,4% observados na semana passada, variando apenas 2,25% com valor de R$ 162,77/MWh, frente aos R$ 159,18/MWh. Os principais fatores que influenciaram no aumento em todos os subsistemas do SIN foram as atualizações das previsões de vazões e de carga.

Por sua vez a previsão para o armazenamento hidroelétrico indica o Nordeste terminando outubro com 49,6% de seus níveis; Norte, com 33,1%; Sudeste, com 24,8% e o Sul, com 22,9%. O ONS projeta ainda que as afluências alcancem 53% da MLT no Norte; 49% da MLT no Nordeste; 48% da MLT no Sudeste/Centro-Oeste e 32% da MLT no Sul.