Cade dá aval a Zeg e Tereos investirem em produção de biogás

Empresas vão estudar a produção de biometano combinado com geração de eletricidade

As brasileiras Zeg Biogás e Zeg Renováveis se uniram ao Grupo Tereos, da França, para estudar a viabilidade econômica da produção de biogás, através do aproveitamento da vinhaça proveniente da Unidade Industrial Cruz Alta, localizada na cidade de Olímpia, no interior de São Paulo.

Uma vez confirmada a viabilidade, as empresas têm planos para constituir uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) com objetivos de comercializar biocombustíveis e eletricidade. O acordo foi celebrado em abril deste ano, porém tornou-se público nesta segunda-feira, 19 de outubro, após a avaliação e publicação do aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) no Diário Oficial da União (DOU).

A composição acionária a ser constituída serão de 51% para a Tereos AEB e de 49% para a Zeg Biogás e Zeg Renováveis, em conjunto. Para o CADE, a operação pode ser classificada como uma joint venture concentracionista por envolver parcialmente as atividades de ambas as empresas.

A Zeg Biogás é uma investida da Zeg Renováveis para prospecção, engenharia e desenvolvimento de projetos de biogás e biometano, sendo que a Zeg Renováveis possui 31% de participação acionária na Zeg Biogás. A Zeg Renováveis, por sua vez, é empresa pertencente ao Grupo Capitale, que desenvolve diversas atividades no Brasil, especialmente geração de energia por meio de fontes renováveis, implementação de projetos de geração de energia e comercialização de energia elétrica.

A Tereos AEB pertence ao Grupo Tereos, da França. O Grupo Tereos é um grupo agroalimentar que atua na transformação de beterraba, cana-de-açúcar, cereais e tubérculos em açúcar, etanol, amido, adoçantes e energia em diversos países em todo o mundo.

Usina de biogás em Guariba

Na última sexta-feira, 16 de outubro, a Raízen inaugurou oficialmente sua primeira planta de biogás, no município de Guariba (SP). A unidade é uma das maiores plantas de biogás do mundo, com 21 MW de capacidade instalada.  A cerimônia contou com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, e do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, entre outras autoridades. O empreendimento é fruto de uma joint venture entre a Raízen e a Geo Energética, e tem foco na produção de biogás a partir de subprodutos do processo produtivo do etanol e açúcar.