Carga desacelera, mas ONS ainda vê expansão de 3,3%

Vazões e níveis dos reservatórios permaneceram no mesmo patamar projetado na semana passada

A última revisão semanal para outubro do Programa Mensal de Operação trouxe nova projeção de desaceleração do crescimento da carga. Agora é esperado um crescimento ao final do mês de 3,3% quando comparado ao mesmo período de 2019. Assim a carga no SIN poderá ficar em 71.807 MW médios, resultado o crescimento em todo o país, sendo o mais acentuado no Sul, com 6,7%, seguido do Norte com 5,9%, Nordeste com 4,3% e Sudeste/Centro-Oeste com 1,7%.

Um dos motivos apontados na análise do Operador Nacional do Sistema Elétrico para esse comportamento é de que as atividades econômicas continuam em recuperação. Relaciona a produção industrial, comércio, serviços, entre outros para esse efeito do pós isolamento social em função da pandemia, que tem se refletido no sinal positivo da carga.

O ONS estima que as vazões deverão manter-se relativamente próximas às previsões da semana passada. O maior volume de energia natural afluente para o Norte com 58% da média, 51% no SE/CO, 47% no NE e apenas 22% no Sul.

Assim como as vazões não variaram na comparação com sete dias antes, a estimativa para o armazenamento nos reservatórios também mantiveram o patamar projetado. No NE está o volume mais elevado com 54,1%, o Norte segue com 32,3%, no SE/CO são esperados 23,3% e no Sul 20,3%.

Consequentemente o Custo Marginal de Operação médio variou na casa dos centavos quando comparado à última revisão. Os valores no NE é que caíram mais significativamente, em 20,13%, para R$ 172,61/MWh.Nos demais submercados ficou em R$ 318,62/MWh, sendo a carga pesada em R$ 327,15/MWh, a média em R$ 326,83/MWh e a leve em R$ 309,38/MWh.

A previsão de despacho térmico permanece acima do patamar de dois dígitos, são 10.274 MW médios, a maior parte por inflexibilidade, com 6.228 MW médios. Por ordem de mérito há 3.859 MW médios e outros 187 MW médios por restrição elétrica.

Na semana operativa que termina nesta sexta-feira, 23 de outubro, houve chuva fraca nas bacias dos rios Paranapanema, Tietê, Grande, Paranaíba e no alto São Francisco, Tocantins e na calha principal do Paraná. Para a próxima, a previsão é de ocorrer precipitação nas bacias dos rios Tietê, Grande, Paranaíba, São Francisco e Tocantins. Já para as bacias hidrográficas da região Sul a previsão é de chuva fraca no início da semana.