CCEE: PLD no Sudeste fica em R$ 317,03/ MWh

Nordeste teve recuo de 15%, levando preço para R$ 185,11/ MWh

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica informa que o Preço de Liquidação das Diferenças para o período de 24 a 30 de outubro nos submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte, aumentou 0,3%, passando de R$ 315,94 /MWh, para R$ 317,03 /MWh. Já no Nordeste foi verificado redução de 15%, o preço médio passou de R$ 219,01 /MWh para R$ 185,11 /MWh.

A manutenção dos preços nos submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte nos patamares observados na semana anterior foi resultado da compensação de um sinal de elevação de preços, devido à expectativa de redução de afluências, em contrapartida a um sinal redução, associado a diminuição da expectativa de carga no submercado Sudeste. Os limites de envio de energia da região Nordeste foram atingidos em todos os patamares, mantendo o descolamento dos preços em relação ao Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte.

Para outubro espera-se afluências fechem em torno de 42% da média de longo termo para o sistema, sendo 51% no Sudeste; 22% no Sul; 47% no Nordeste e 58% no Norte. Para a próxima semana, a expectativa é que a carga do SIN fique em torno de 2.916 MW médios mais baixa em relação à previsão anterior, com redução somente no submercado Sudeste, com queda de 3.025 MW med. Para o submercado Sul, a expectativa é de aumento de 108 MW med. No Nordeste e Norte não houve alteração na previsão.

Os níveis dos reservatórios do SIN ficaram cerca de 1.146 MW médios acima do esperado. Os níveis estão acima no submercado Sul, com aumento de 358 MW med e Nordeste, de alta de 1.083 MW med, em relação a expectativa anterior, enquanto o nível está abaixo para o submercado Norte, de baixa de 295 MW med. Já para o submercado Sudeste não houve alteração.

O fator de ajuste do MRE estimado para outubro passou de 67,8% para 65,9%. O Encargo de Serviços do Sistema previsto para o mês está em R$ 240,3 milhões, sendo R$ 8,3 milhões devido a restrições operativas, R$ 71,3 milhões devido à segurança energética, R$ 109 milhões devido a reserva operativa de potência, 25,2 milhões por unit commitment e R$ 26,3 milhões devido à importação por segurança energética.