Energisa implementa política de trabalho remoto

'Smart Work' pode atingir no auge 2,5 mil profissionais do grupo

O Grupo Energisa implementará nas próximas semanas o “Lá & Cá”, seu programa permanente de ‘smart work’. A iniciativa inclui uma política de trabalho remoto que tem como objetivo elevar a qualidade de vida dos colaboradores e aumentar sua produtividade, usando a tecnologia como aliada. Na primeira etapa, com início previsto para dezembro deste ano, cerca de 800 colaboradores, que já possuem notebooks da empresa, poderão aderir ao projeto. Estima-se que no auge da política esse número possa ultrapassar 2,5 mil profissionais.

O chamado ‘smart work’ foi resultado de meses de preparação do Grupo Energisa. Para desenvolver um modelo compatível com as expectativas dos colaboradores, foram realizadas pesquisas para ouvi-los e analisar as melhores práticas do mercado. Assim, a meta foi criar um ambiente colaborativo, acolhedor e que garanta uma alta performance, mesmo a distância.

Durante a pandemia, quando cerca de 18% dos colaboradores da Energisa entraram no esquema de home office, a companhia realizou uma pesquisa para desvendar o impacto dessas mudanças. Segundo o levantamento, 72% desses profissionais sinalizaram o desejo de continuar o trabalho remoto após a pandemia, destacando vantagens como a redução do tempo de deslocamento e a melhoria do convívio familiar. Já 80% desejam ver implementado um modelo híbrido, com alternância entre trabalho presencial e remoto.  57% dos profissionais ouvidos afirmaram terem mantido a produtividade durante o período de home office, enquanto 39% se sentiram até mais produtivos. Esta percepção é corroborada pelas lideranças: 92% dos líderes concordam com essas constatações. A escala de trabalho proposta é de 5×5, isto é, cinco dias de trabalho presencial e outros cinco de forma remota. Também há a opção de 3×2 em alguns casos excepcionais, sendo três dias na empresa e dois em casa.

Para um público específico e mais restrito, cuja atividades sejam totalmente compatíveis, está previsto também o teletrabalho, ou seja, os profissionais desenvolverão suas atividades predominantemente fora das dependências da empresa.  De acordo com a vice-presidente de Gente & Gestão do Grupo Energisa, Daniele Salomão, a premissa é garantir que a qualidade de vida e a capacidade de gerar valor sejam maiores do que a forma de se trabalhar. Para isso, foram equilibradas as necessidades apontadas pelas pessoas e os objetivos do negócio, em um benefício pioneiro.

Para possibilitar a implantação do “Lá & Cá”, a área de tecnologia da Energisa incorporou algumas adaptações, como a priorização da compra de notebooks, tornando mais equipes elegíveis ao trabalho remoto. Também estão sendo realizados experimentos com a ferramenta Workplace Analytics para geração de relatórios de produtividade e comportamentos dentro do ambiente de trabalho virtual. Porém, o processo de transformação digital da área de Gente & Gestão da Energisa começou bem antes da pandemia de Covid-19. Ainda em 2018, foi implementado o projeto de “R&S Agile”, que tinha como principal objetivo automatizar os processos, gerando ganhos como maior agilidade e assertividade. Hoje 80% do processo de recrutamento e seleção em RH da empresa são realizados por meio digital.

A Energisa também utiliza, entre outros recursos, robôs para automatização de processos com foco em produtividade e redução de custos; tecnologias de realidade aumentada e realidade virtual para treinamentos; sistemas de business intelligence; e dashboards que facilitam o cruzamento de dados para tomada de decisões. A agilidade decorrente do uso dessas tecnologias permitiu, por exemplo, uma rapidez na implantação do trabalho remoto durante a pandemia, uma vez que foi possível analisar o impacto do home office em termos de custos operacionais e o perfil dos colaboradores com maior vulnerabilidade à doença.

Daniele Salomão avalia que os investimentos em tecnologia representam uma vantagem competitiva para a empresa. Afinal, a sistematização das informações agiliza o acesso aos dados com mais segurança e inteligência. Segundo a executiva, a inovação torna a gestão de pessoas ainda mais relevante para os negócios, na medida em que a área amplia a base de conteúdo para decisões mais assertivas. Essas informações, alinhadas ao planejamento da empresa, facilitam e aceleram a elaboração de estratégias e metas.