Tradener inaugura PCH e obtém licença para mais três usinas

Os quatro empreendimentos farão parte do Complexo Hidrelétrico São Bartolomeu, em Goiás

A Tradener foi autorizada pelo governo de Goiás a instalar três novas pequenas centrais hidrelétricas no estado, ao inaugurar nesta quarta-feira, 11 de novembro, a PCH Tamboril. A usina de 15,8 MW e investimento aproximado de R$ 110 milhões é o primeiro dos quatro empreendimentos do Complexo Hidrelétrico São Bartolomeu, que terá capacidade instalada total de 57,8 MW e investimento estimado em R$ 410 milhões.

A emissão das licenças de instalação das PCHs São Bartolomeu, Salgado e Gameleira foi anunciada durante a inauguração pela secretária de Meio Ambiente do Estado de Goiás, Andréa Vulcanis.  Localizada no rio São Bartolomeu, em Cristalina (GO), a PCH Tamboril amplia a carteira de energia renovável da comercializadora, que planeja instalar uma segunda usina no município e as duas outras na cidade de Luziânia.

A central geradora tem contrato de energia negociado no último leilão de reserva realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica. A obra foi concluída em 27 meses e exigiu a implantação de 24 programas socioambientais, relacionados a controle e monitoramento de solo, água, ar, resíduos e efluentes; monitoramento, conservação, resgate e manejo da flora, fauna e organismos aquáticos; responsabilidade social voltada aos trabalhadores, proprietários afetados e comunidades de Cristalina e Luziânia; escada de peixe para manter a migração reprodutiva e alimentar das espécies; supressão e limpeza do reservatório.

O novo secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Paulo César Magalhães, que representou o ministro Bento Albuquerque na cerimônia, disse que o governo tem “um interesse muito grande na expansão da fonte.”

O presidente da Tradener, Walfrido Ávila, elogiou a rapidez na tramitação do processo de implantação da usina como “um grande exemplo para o Brasil.” Ávila destacou a racionalização dos processos pelo governo de Goiás, a Aneel e a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica.

O presidente do Conselho de Administração da CCEE, Rui Altieri, afirmou que o empreendimento é estratégico, pela sua proximidade com o Distrito Federal. Já a secretária Andréa Vulcanis reforçou que o licenciamento ambiental deixou de ser um problema no estado, que após mais de dez anos entregou as três licenças das PCHs.